Esta entrada también está disponible en: Español (Espanhol) English (Inglês) Français (Francês)

PUSL.- Através destes encontros de solidariedade neste sábado, 19 de dezembro, centenas de membros da comunidade saharaui e amigos do povo saharaui nas duas cidades francesas condenaram a violação do cessar-fogo por parte de Marrocos sob os olhos da MINURSO, na sequência do ataque perpetrado pelo seu exército na sexta-feira, dia 13 de novembre contra manifestantes civis saharauis na zona tampão de El Guergarat.

Os manifestantes apelaram à comunidade internacional e em particular ao Comité Internacional da Cruz Vermelha para que protejam a população civil nas áreas ocupadas e libertem os presos políticos saharauis.

Também apelaram à França para que desempenhe um papel mais equilibrado no Conselho de Segurança para a resolução deste problema de descolonização de acordo com as resoluções da ONU e a legalidade internacional.

Comunicado de imprensa

Condenação de violação de Marrocos do acordo de cessar-fogo no Sahara Ocidental

Marrocos violou a 13 de novembro de 2020 o acordo de cessar-fogo celebrado em 1991, ao lançar uma operação militar contra civis saharauis que se manifestavam pacificamente contra a abertura de uma brecha ilegal em El Guerguerat na zona tampão. O exército saharaui retaliou em legítima defesa e a Frente Polisário declarou o estado de guerra na sequência desta agressão.

As Associações Saharauis de Toulouse, bem como as solidárias com o Povo Saharaui reuniram-se no sábado, 19 de dezembro de 2020, em Toulouse para:

  • Expressar o seu apoio ao povo saharaui, na sequência do ataque perpetrado por soldados marroquinos contra manifestantes civis em frente à violação ilegal de Elguergarat e denunciar a irresponsabilidade do Reino de Marrocos na violação do cessar-fogo, com o seu conhecimento e perspectiva da missão “MINURSO” das Nações Unidas em funcionamento.
  • Exigir uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, a fim de obrigar Marrocos a respeitar: os direitos do povo saharaui à autodeterminação e à independência, através do referendo prometido aos saharauis desde 1991.
  • Exigir da Comissão Internacional da Cruz Vermelha a proteção dos civis nos territórios ocupados do Sahara Ocidental e a libertação dos presos políticos (especialmente os do grupo Gdeim Izik detidos há mais de 10 anos pelo ocupante marroquino).
  • Exigir o encerramento da brecha ilegal de Elguergarat, pela qual Marrocos exporta o saqueio das riquezas do Sahara Ocidental e facilita a entrada da sua produção de cannabis no mercado africano, expondo assim a sua juventude às devastações do seu consumo, ao comprometer a ao mesmo tempo, não só o desenvolvimento da África, a construção e integração do Magrebe, mas a ameaçadora Europa, dada a promiscuidade desta região
  • Pedimos também ao governo francês, que tem uma parcela de responsabilidade na situação atual, que esteja de acordo com os valores da República Francesa e trabalhe pela paz e pelo direito dos povos à autodeterminação.
  • Denunciar a cumplicidade da União Europeia, ao ratificar acordos comerciais incluindo o Sahara Ocidental, com Marrocos para financiar a sua guerra, apesar das decisões do Tribunal de Justiça Europeu, que especificam que Marrocos e Sahara Ocidental são duas entidades distintas e separadas.

Associação de Saharaui de Toulouse
A associação bressuiraise
Solidariedade com as crianças do Sahara Ocidental
Ong “com uma só mão não podemos aplaudir”