Empresas internacionais que investem ilegalmente no Sahara Ocidental Ocupado

PUSL.- Pelo segundo ano consecutivo, o Centro de Estudos e Documentação, Ahmed Baba MISKE, deseja lançar luz sobre o debate sobre o conflito entre a República Saharaui e o Reino de Marrocos, ambos membros da organização regional União Africana, e relativamente às atividades económicas na parte do Sahara Ocidental, ainda ocupada por Marrocos.

Publicando um relatório que lista as empresas que estão estabelecidas ou ainda têm atividades na parte ocupada do Sahara Ocidental. Essa presença e atividades constituem flagrantes violações do direito internacional e “crimes de colonização”, uma vez que não obtiveram o consentimento nem da população indígena do Sahara Ocidental, nem do seu único representante, definido pela ONU como sendo, a Frente Polisario (Frente de Libertação de Saguia el Hamra e el Rio de Oro).

De facto, o Sahara Ocidental, desde a saída da potência colonial, Espanha, em 1976, foi classificado pela ONU como um “território não autónomo sem administração”. Além disso, o consultor jurídico da ONU, o Sr. Hans CORREL, no seu parecer de 2002, afirma que, “Em 14 de novembro de 1975, uma declaração de princípios sobre o Sahara Ocidental foi assinada em Madrid por Espanha, Marrocos e Mauritânia (Acordo de Madrid). Em virtude desta declaração, os poderes e responsabilidades da Espanha, enquanto potência administradora do território, foram transferidos para uma administração tripartida temporária. O Acordo de Madrid não previa a transferência de soberania sobre o território, nem conferia a nenhum dos signatários o estatuto de poder administrativo, estatuto que a Espanha não podia transferir unilateralmente. A transferência dos poderes administrativos para Marrocos e Mauritânia em 1975 não teve impacto sobre o status do Sahara Ocidental como um território não autónomo “.

Além disso, os acórdãos do Tribunal de Justiça da UE, em particular o de 27 de fevereiro de 2018, confirmaram e recordaram o “estatuto separado e distinto” do Sahara Ocidental reconhecido pela ONU ( do Reino de Marrocos )

Todas estas decisões e pareceres jurídicos recordam que estas decisões estão de acordo com o parecer jurídico da União Africana publicado já em 2015, clarificando o estatuto jurídico da República Saharaui e do Reino de Marrocos, e recordando que a presença marroquina e a ocupação militar ilegal e que, portanto, todas as atividades económicas, quer sejam exercidas pelo Reino de Marrocos ou por terceiros, violam o direito internacional.

Desde os últimos pareceres do Tribunal de Justiça da UE, um bom número de empresas decidiu respeitar o direito internacional e cessou as suas atividades na parte do Sahara Ocidental ainda ocupada por Marrocos.

Finalmente, deve-se notar que desde a violação do cessar-fogo por Marrocos em 13 de novembro de 2020 e o reinício da guerra, a Frente Polisário e a RASD declararam todo o território do Sahara Ocidental como zona de guerra (em terra, no mar, como no ar). Isso deve levar mais empresas a reconsiderar as suas atividades ilegais no Sahara Ocidental.

RAPPORT 2020 CENTRE AHMED BABA MISKE_003_