AFSPA lança apelo a Macron para salvar a vida de Haddi preso politico saharaui em greve de fome

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês) Français (Francês)

PUSL.- A Associação Francesa de Amizade e Solidariedade com os Povos de África lançou no passado dia 25 de Fevereiro um apelo urgente ao Presidente Francês Emmanuel Macron solicitando a internvenção da França junto do governo Marroquino relativamente ao preso político saharaui Mohamed Lamine Haddi em greve de desde 13 de Janeiro de 2021, sem assistência médica até ao momento e em sério risco de vida.

Bagnolet em 25 de fevereiro de 2021

Sr. Emmanuel MACRON Presidente da República Palácio Elysée
55 rue du Faubourg Saint Honoré 75008 Paris

Assunto: Apelo urgente: o preso político saharaui Mohamed Lamine Haddi em greve de fome há 42 dias

Senhor Presidente da República,

Dirijo-me a vós para alertar para a gravíssima situação em que o preso político saharaui, Mohamed Lamin Haddi, membro do grupo de Gdeim Izik, está em greve de fome há 42 dias, e com o qual não foi realizado diálogo sério pelas autoridades marroquinas em resposta às suas reivindicações legítimas. Ele está em confinamento solitário desde 16 de setembro de 2017, data de sua chegada à prisão de Tiflet2, localizada a 1.165 quilómetros de El Aaiun, onde sua família reside no Sahara Ocidental.

Aos 40 anos, ele passou um quarto da vida na prisão após um julgamento político considerado injusto por ONGs internacionais de direitos humanos, onde a única prova fornecida pela acusação foi uma confissão obtida sob tortura, tanto para ele como para seus companheiros, que o Comité da ONU contra a Tortura reconheceu após a denúncia de Claude Mangin Asfari e ACAT.

Recordo que Mohamed Lamine Haddi foi preso em El Aaiun em 20 de novembro de 2010, treze dias após o violento desmantelamento do acampamento pacífico de Gdeim Izik e condenado pelo tribunal militar de Rabat a 25 anos de prisão em 2013, sentença confirmada em recurso em 2016. Desde a sua detenção, foi transferido várias vezes através de prisões em Marrocos enquanto a Convenção de Genebra, ratificada por Marrocos, estipula que as pessoas detidas pela potência ocupante de um território não autónomo devem ser julgadas e detidas neste território .

Mohamed Lamine foi forçado a usar este método de reclamação dos seus direitos, que põe em causa a sua juventude, para denunciar os vários assédios de que é alvo e que duram há dez anos: provocações e agressões físicas, intimidação psicológica, negação de direitos garantidos por acordos internacionais e outros métodos desonestos indignos de administração estatal. A sua família nãoo pode visitar há já um ano.

Dadas as ligações mantidas pela França com as autoridades marroquinas e a responsabilidade que o nosso país assume no apoio à ocupação de grande parte do Sahara Ocidental, a nossa associação pede-lhe uma intervenção urgente para salvar Mohamed Lamine de um desfecho que corre o risco de ser fatal se as autoridades prisionais marroquinas não tomaram as medidas necessárias para o acompanhamento médico das pessoas em greve de fome.

Queira aceitar, Senhor Presidente, a expressão dos meus melhores cumprimentos.

Jean-Paul ESCOFFIER Presidente