Esta entrada también está disponible en: Español (Espanhol) English (Inglês)

PUSL.- A família estava a jantar às 23 horas, de repente houve muito movimento e a família recebeu uma chama.

Foram informadas de que um grande número de forças de ocupação marroquinas do Makhzen estavam a mover se no exterior. Cercaram toda a casa da família Khaya.

Ouarra tentou sair, mas assim que espreitou da porta viu como estavam cercados e entendeu a “mensagem”.

Ela fechou a porta novamente. A eletricidade da casa foi cortada. Antes de desligarem a eletricidade, as forças de ocupação marroquinas cercaram todas as casas / apartamentos que estão em Farza e em frente à casa da família Khaya.

Três a quatro policias foram colocados em cada casa e um policia em cada cruzamento de rua.

A eletricidade da rua também foi cortada, mas não das outras casas. Então as forças marroquinas começaram a bater na porta com uma bastão de metal para destruí-la e entrar.

Quem bateu na porta foi identificado por Ouarra Khaya como o comandante Aziz.

Tentaram invadir a casa quando Sultana se preparava para deitar. O menino (sobrinho) começou a chorar e a mãe da família Khaya pediu que eles se retirassem.

Eles continuaram a batendo na porta.

Ouarra disse-lhes que vivemos no ano 2021 e que o mundo vive numa democracia e que existem leis e regras.

Ela disse para eles virem durante o dia e se eles quiserem destruir a casa inteira, eles podem faze-lo , se quiserem bombardear a casa podem faze-lo.

Ouaara disse: “Eu compartilhei um ponto importante com eles: nós somos mulheres que são corajosas e não têm medo. Mas a maneira como vocês desligam a energia e encobrem as vossas ações bárbaras não é aceitável. Apelamos a todas as organizações de direitos humanos, organizações internacionais e pessoas livres para defender esta família que sofre às mãos das forças de ocupação marroquinas ”.

Ouarra, a sua mãe, a sua irmã Sultana, a sua cunhada e Babozaid, o sobrinho, sentaram-se no escuro numa situação indescritível.

Ouarra apela à comunidade internacional e ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha para salvar a sua família desta prisão, deste acobertamento e intimidação, bem como dos maus tratos inaceitáveis ​​de que são vítimas.

One thought on “Ouarra Khaya explica neste vídeo o ataque da noite passada, 6 de março, pelas forças de ocupação marroquinas.”

Comments are closed.