Esta entrada también está disponible en: Español (Espanhol) English (Inglês) Français (Francês)

rsf.org.- Repórteres Sem Fronteiras (RSF) lança um apelo urgente às autoridades marroquinas para que libertem Mohamed Lamin Haddi, jornalista saharaui cuja condição física é extremamente preocupante, após 78 dias em greve de fome, e que agora é alimentado à força. O princípio da humanidade deve prevalecer, afirma RSF.

Tanto a saúde de Haddi quanto as condições em que ele está detido na prisão de Tiflet de Rabat são muito preocupantes. Detido desde novembro de 2010 e condenado a 25 anos de prisão em 2013, Haddi trabalhou para a RASD TV, um canal de TV administrado pela Frente Polisario, que proclamou a República Árabe Sahrawi Democrática no Sahara Ocidental em 1976 e que contesta o controle de Marrocos sobre a maior parte desta “Território não autónomo ”.

Haddi iniciou uma greve de fome por tempo indeterminado no dia 13 de janeiro para chamar a atenção para os maus-tratos a que está submetido, e tem sido alimentado à força por sonda nasogástrica desde a semana passada. Quando conseguiu ligar para a sua mãe em 24 de março, ele disse-lhe que havia perdido todas as sensações na metade de seu corpo.

A família de Haddi luta para obter informações porque as autoridades marroquinas negam o seu direito a visitas familiares. Sem receber notícias dele há um mês, a sua mãe foi para a prisão de Tiflet no dia 3 de março e, não podendo ver o seu filho, foi detida pela polícia em resposta a uma denúncia do director da prisão, que a acusou de criar um perturbação na entrada.

“Os maus-tratos a Mohamed Lamin Haddi continuaram por muito tempo”, disse o secretário-geral da RSF, Christophe Deloire. “É hora de acabar com a tortura e resgatar este jornalista da greve de fome que ele segue há mais de dois meses e do esquecimento a que está condenado por um conflito de 30 anos. O princípio da humanidade deve prevalecer sobre as questões territoriais. Preso há dez anos sob uma acusação espúria, ele agora corre o risco de morrer e deve ser libertado sem demora. Fazemos um apelo urgente às autoridades marroquinas para que acabem com o seu calvário. ”

Haddi, que também é membro da Associação Saharaui das Vítimas de Graves Violações dos Direitos Humanos cometidas pelo Estado marroquino (ASVDH), foi detido a 20 de novembro de 2010, duas semanas depois de denunciar o uso da força pelas autoridades marroquinas para desmantelar o campo de protesto de Gdeim Izik, a 12 km de El Aaiun , a maior cidade do Sahara Ocidental.

Julgado por um tribunal militar junto com vários ativistas saharauis, Haddi foi condenado a 25 anos de prisão em fevereiro de 2013 sob a acusação de “violência com intenção de matar funcionários no cumprimento de suas funções”. Um observador internacional disse que lhe foi negado o direito ao devido processo e descreveu o julgamento como um “espetáculo miserável”. Apesar da falta de provas, a sua sentença foi confirmada em recurso por um tribunal de Salé em julho de 2017 e pela mais alta corte de Marrocos em novembro de 2020.

O campo Gdeim Izik foi estabelecido em outubro de 2010 para protestar contra as péssimas condições sociais e económicas no Sahara Ocidental, que Marrocos anexou em 1975 e que a Frente Polisário continua a reivindicar como um país independente. Desde o ano passado, o território disputado viu um aumento da tensão militar entre Marrocos e as forças de independência saharauis.

Marrocos está classificado em 133º lugar entre 180 países no Índice de Liberdade de Imprensa Mundial 2020 da RSF.