RASD reivindica um assento na ONU como Estado membro

Argel, 5 de abril de 2021 (SPS) -. O ministro saharaui dos Negócios Estrangeiros, Mohamed Salem Uld Salek, reivindicou esta segunda-feira, em Argel, a plena adesão da República Árabe Saharaui Democrática às Nações Unidas, como Estado membro.

“O Estado saharaui reclama um assento nas Nações Unidas porque Marrocos, que está a colocar obstáculos à realização de um referendo sobre a autodeterminação, está convicto de que o povo saharaui é unânime no seu direito à independência e à soberania sobre a sua pátria e sobre o território de seus ancestrais “, disse Uld Salek.

Numa conferência de imprensa realizada hoje na sede da embaixada saharaui na Argélia, disse que “a agressão de 13 de novembro foi a gota d’água e colocou o conflito no Sahara Ocidental de novo no ponto de partida”.

O chefe da diplomacia saharaui condenou o apoio francês à ocupação marroquina e pediu à França que se abstenha de obstruir o processo de paz e desempenhe um papel que honre a sua presença no conselho de segurança e defesa dos direitos humanos.

Lamentou que o apoio francês à ocupação marroquina tenha abortado qualquer solução entre as partes e impedido a MINURSO de assumir a responsabilidade pela vigilância dos direitos humanos para aliviar, pelo menos, o sofrimento dos saharauis nas cidades ocupadas expostas aos métodos mais brutais, opressão e tortura, como é o caso da situação dos presos politicos nas prisões marroquinas e de muitas famílias saharauis, como é o caso das famílias de Sultana Khaya e Haddi.

Se não fosse pela “obstrução francesa” – disse o ministro – “as decisões do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias teriam sido executadas pela União Europeia para impedir o saque e o roubo dos recursos naturais saharauis”.

“É tempo de a França deixar de apoiar cegamente a ocupação marroquina e contribuir para o restabelecimento da paz e da estabilidade no Noroeste da África, sem essa desejada atmosfera de paz não se pode falar em cooperação, desenvolvimento e integração económica ou política”, adiciona ULD Salek.

ULD Salek manifestou a vontade permanente do lado saharaui de cooperar fortemente com as Nações Unidas para cumprir as suas obrigações inequívocas para com o povo saharaui, para que este possa exercer o seu direito inalienável à autodeterminação e à independência, como todos os povos do mundo .

A nível africano, reiterou a vontade da RASD de cooperar com o Conselho de Paz e Segurança da União Africana para começar a implementar a sua última decisão e as decisões da cimeira extraordinária sobre o silêncio das armas.