Esta entrada también está disponible en: Español (Espanhol) English (Inglês)

REPRESENTAÇÃO DA FRENTE POLISARIO NAS NAÇÕES UNIDAS
COMUNICADO DE IMPRENSA

[NOVA YORK – 16 DE ABRIL DE 2021] Vários meios de comunicação citando a Agence France-Presse (AFP) publicaram hoje artigos sobre o que é alegado ser a posição da Frente POLISARIO sobre uma recente proposta do Secretário-Geral da ONU sobre o seu Enviado Pessoal para o Sahara Ocidental. Para esclarecimento, é importante sublinhar os seguintes factos:

Quatro enviados pessoais e quinze Representantes Especiais do Secretário-Geral da ONU estiveram até agora envolvidos em várias fases do processo de paz da ONU no Sahara Ocidental. No entanto, Marrocos conseguiu, com total impunidade, transformar os seus esforços de mediação em missões impossíveis através da sua procrastinação e obstrucionismo deliberado.

Neste contexto, foi Marrocos que sabotou os esforços de mediação do ex-Secretário de Estado dos EUA, James Baker III, que foi nomeado o primeiro Enviado Pessoal do Secretário-Geral da ONU (EPSG) para o Sahara Ocidental em março de 1997, levando à sua renúncia em junho de 2004.

As autoridades marroquinas seguiram a mesma atitude obstrucionista em relação ao Embaixador Christopher Ross (EUA), nomeado EPSG para o Sahara Ocidental em janeiro de 2009.

Chegaram mesmo a declarar o Embaixador Ross uma persona non grata em maio de 2012 e impedi-lo de cumprir a sua missão e viajar para o Sahara Ocidental. Como resultado, ele acabou por renunciar ao cargo em abril de 2017.

Quando o Secretário-Geral conseguiu nomear o ex-presidente alemão, Horst Köhler, em agosto de 2017 como o seu EPSG para o Sahara Ocidental, seis anos após a negociação direta entre as duas partes ter estagnado, o obstrucionismo de Marrocos transformou os esforços do presidente Köhler numa missão impossível que o levou a apresentar a sua renúncia em maio de 2019.

Depois de frustrar os esforços do Presidente Köhler, com o objetivo de manter o status quo, o Estado de ocupação marroquino decidiu frustrar todos os esforços subsequentes do Secretário-Geral para nomear um novo EPSG para o Sahara Ocidental. Para tanto, não apenas vetou vários candidatos ao posto EPSG, mas também tentou influenciar o processo por meio de um conjunto de pré-condições que excluem abusivamente cidadãos de um grupo de Estados-Membros da ONU (incluindo países escandinavos, Austrália, Alemanha, Suíça , Holanda, entre outros) da lista de possíveis candidatos para o cargo de EPSG.

Como exemplo da sua conduta enganosa, as autoridades marroquinas, que fizeram o possível para frustrar os esforços da ONU para nomear um novo EPSG para o Sahara Ocidental após a renúncia do presidente Köhler, estão agora a saudar cumprimentando o compromisso com o processo de paz à boca cheia, especialmente após o estado ocupante ter violado o cessar-fogo de 1991 e o processo de paz em 13 de novembro de 2020.

Através da sua procrastinação e obstrucionismo deliberado, o estado de ocupação marroquino mostrou claramente que não tem vontade política para alcançar uma solução justa e pacífica e que apenas procura manter o status quo enquanto persiste nas suas tentativas de ter unilateralmente “um modelo feito à medida ” de um enviado pessoal, o que é totalmente inaceitável.

A concluir, a Frente POLISARIO sublinha que a nomeação de um novo EPSG para o Sahara Ocidental, que deve ser imparcial, independente, competente e cumprir a sua missão com integridade, não é um fim em si mesmo. Pelo contrário, é apenas um meio para facilitar e fazer avançar o processo de paz no sentido de alcançar o seu objetivo final, nomeadamente o exercício pelo povo saharaui ao seu direito inalienável e inegociável à autodeterminação e independência.