Por David Bollero / blogs.publico.es/kaostica .- A Espanha reforçou o arsenal marroquino em 2020 com a venda de granadas de morteiro, peças de reposição para argamassa, explosivo plástico, detonadores, cordão detonador e fusível lento, motores para veículos blindados, peças sobressalentes e consumíveis para a reparação de correntes de tanques e peças, e Peças sobressalentes de fabricação espanhola para aeronaves de transporte. Em guerra com a Frente Polisário desde novembro de 2020, depois que Mohamed VI quebrou o cessar-fogo, a Espanha no ano passado embolsou 12,5 milhões de euros com essas vendas de armas. No entanto, as armas espanholas não são as únicas usadas na guerra que está a deocorrer no Sahara Ocidental. A tecnologia de ponta israelita também entra em jogo.

As relações entre Marrocos e Israel foram oficialmente restabelecidas em dezembro passado, em contrapartida à administração de Trump que vai contra o direito internacional e reconhece a soberania do reino alauita sobre o Sahara Ocidental. No entanto, oficiosamente essas relações já ocorriam , tanto económica quanto diplomaticamente e, principalmente, militarmente. Isso foi denunciado no jornal Haaretz por Jonathan Hempel, um investigador do American Friends Service Committee, especialista em exportações militares e de segurança israelita .

Embora Israel quae não publique informações oficiais sobre as suas exportações militares e de segurança, o instituto de pesquisa sueco SIPRI em 2019 já classificou este país como o oitavo maior exportador de armas do mundo. Segundo Hempel, já nos anos 70 é possível encontrar vendas de tanques de Israel a Marrocos – o apoio israelita a Marrocos em na sua ocupação ilegal do Sahara Ocidental em 1975 foi fundamental – as relações se intensificaram nas últimas duas décadas. É assim que tem sido possível para o reino de Mohamed VI tirar proveito da tecnologia militar de ponta de Israel, toda envolta em segredo e opacidade. Hempel denuncia como, de acordo com um relatório britânico do Departamento de Negócios, Inovação e Formação (BIS), Israel vendeu comunicações militares e sistemas de controle (como sistemas de radar para caças) a Marrocos por meio de um terceiro.

Essas operações incluem a compra em 2013 por Marrocos de três drones Heron fabricados pela Israel Aerospace Industries em colaboração com um produzido pela Airbus Defense and Space, por 50 milhões de dólares. O acordo teria sido fechado definitivamente em 2014, por meio da empresa francesa Dassault e o destino desses drones é o Sahara Ocidental. Os planos, segundo Hempel, são usar estes drones contra a população saharaui da mesma forma que Israel o faz há anos contra os palestinos em Gaza.

Neste sentido, no passado mês de Abril, fontes saharauis denunciaram o homicídio do chefe da Guarda Nacional da Frente Polisario, Adaj el Bendir, por ataque aéreo marroquino perpetrado com a ajuda de um destes drones. A própria mídia francesa Le Desk detalhou como o drone marcou o alvo usando um feixe de laser para que mais tarde um caça F-16 das Forças Armadas Marroquinas realizasse o bombardeio.

Os três Herons (operados pela França sob o nome de Harfang) vêm da Força Aérea Francesa, após vários anos de serviço no Afeganistão, Líbia, Níger e Mali, entre outros. Esses drones têm autonomia de mais de 50 horas e são equipados com sensores optrônicos (visão noturna) e radar, que permitem que as missões sejam executadas a qualquer hora do dia ou da noite em todas as condições climáticas. Além disso, a aeronave conta com três câmeras de vigilância, um sistema de gravação de vídeo e um sistema de comunicação ar-solo. Aos três Herons devemos somar também a compra de estações terrestres, peças de reposição e suporte, algo que se adquirido em primeira mão pode custar mais de 150 milhões de dólares, segundo fontes especializadas.

Por outro lado, em 2017 a Amnistia Internacional já denunciava que Marrocos estava a utilizar o Pegasus, o software de espionagem desenvolvido pela empresa israelita NSO Group para rastrear e recolher informação de jornalistas e activistas dos Direitos Humanos . Um dos casos mais públicos foi o do jornalista marroquino crítico do regime de Mohamed VI, Omar Radi, que as autoridades espionaram durante um ano após de hackear o seu telemóvel com tecnologia NSO, terminando na prisão pelas suas publicações nas redes sociais.

Quem se opusesse às políticas marroquinas estaria sob vigilância, o que até foi denunciado pela ONU. Na verdade, recentemente a Relatora Especial da ONU que examina a situação dos defensores dos direitos humanos, Mary Lawlor, publicou um relatório há algumas semanas no qual denuncia as autoridades marroquinas por perseguir e punir ativistas “desproporcionalmente” e jornalistas que exigem respeito pelos direitos humanos no Sahara Ocidental

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies