DECLARAÇÃO SAHARA OCIDENTAL: REFERENDO DE AUTODETERMINAÇÃO PARA A ÚLTIMA COLÓNIA DE ÁFRICA

Enquanto organizações da sociedade civil, queremos reafirmar, por ocasião da XIII Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (Luanda, 16-17 de julho de 2021), o nosso firme apoio aos direitos inalienáveis do povo do Sahara Ocidental, começando pelo seu direito à autodeterminação, e independência, se for essa a sua escolha livremente expressa.

Indigna-nos o facto de terem passado 46 anos desde que em 1975 Marrocos invadiu, e ocupou pela força, à revelia de todas as resoluções das Nações Unidas e do Parecer emitido pelo Tribunal Internacional de Haia, a então colónia espanhola do Sahara Ocidental, sem que se tenha cumprido o acordado entre todas as partes, há exatamente 30 anos (1991): a realização de um referendo através do qual o povo saharaui pudesse decidir sobre o seu futuro.

Inspira-nos enorme respeito a forma determinada e corajosa como o povo saharaui tem sobrevivido e tem continuado a lutar durante estas mais de quatro décadas, em condições extremas: famílias separadas, violações sistemáticas dos direitos humanos, pilhagem dos recursos naturais do território, vida provisória em lugares climatericamente inóspitos, gerações descriminadas e privadas de horizontes construtivos.

Não aceitamos a contemporização de uma parte da comunidade internacional, e das Nações Unidas, com as práticas políticas, diplomáticas, económicas e de segurança de Marrocos, potência ocupante de um território adquirido pela força, cuja actuação, cada vez mais agressiva, merece condenação, desafio e contraposição, através da adopção de medidas justas que garantam os direitos do povo saharaui.

Reconhecemos os governos que, mantendo-se fiéis ao princípio de autodeterminação de todos os países e povos coloniais, de acordo com a Resolução 1514 (XV) da Assembleia Geral da ONU, de 1960, têm demonstrado o seu apoio político, diplomático e económico às exigências da luta do povo do Sahara Ocidental e do seu legítimo representante, a Frente POLISARIO. Em especial, saudamos as posições da União Africana e instamos a que todos os seus membros as respeitem e incluam na sua prática.

Regozijamo-nos com a progressiva tomada de consciência de organismos internacionais, empresas, instituições académicas e de cidadania que recusam a realpolitik de curto prazo, dão prioridade aos direitos dos povos saharaui e marroquino, denunciam os constantes ataques à liberdade de informação e de associação, abandonam a exploração de recursos naturais porque os seus interlocutores não são legítimos, inquietam-se com a descriminação e a desigualdade galopantes e compreendem os perigos de uma desestabilização regional grave que já está no terreno.

Queremos ser uma parte cada vez mais activa do movimento de solidariedade para com o povo do Sahara Ocidental. Exigimos justiça nas relações internacionais, porque ela é a base da paz e do desenvolvimento. Acreditamos que terminar o processo de descolonização inacabado do Sahara Ocidental é vital, e que o Direito Internacional aponta um caminho claro: como no caso de Timor-Leste, realize-se um referendo livre e justo, sob supervisão da ONU. Que sejam os e as saharauis a escolher o seu futuro.

 Julho de 2021

 

  • AAPSO – Associação de Amizade Portugal-Sahara Ocidental (Portugal)
  • Associação In Loco (Portugal)
  • AJPD – Associação Justiça Paz e Democracia (Angola)
  • Associação Omunga (Angola)
  • ACEP – Associação para a Cooperação entre os Povos (Portugal)
  • CEBRAPAZ – Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Brasil)
  • CEAUP – Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto (Portugal)
  • CIDAC – Centro de Intervenção para o Desenvolvimento Amílcar Cabral (Portugal)
  • CooLabora, CRL (Portugal)
  • FONGTIL – Forum ONG Timor Leste (Timor Leste)
  • FORDU – Fórum Regional de Desenvolvimento Universitário (Angola)
  • Friends of Angola (Angola)
  • Graal (Portugal)
  • JOINT Liga de ONGs em Moçambique (Moçambique)
  • OHI – Organização Humanitária Internacional (Angola)
  • PMA – Plataforma Mulheres em Acção (Angola)
  • PPONGD – Plataforma Portuguesa das ONG de Desenvolvimento (Portugal)
  • Rede da Criança de Moçambique (Moçambique)
  • Rede Terra (Angola)
  • SOS-Habitat (Angola)
  • Tiniguena-Esta Terra É Nossa (Guiné-Bissau)
  • UMAR – União de Mulheres, Alternativa e Resposta (Portugal)

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies