Esta entrada también está disponible en: Español (Espanhol) English (Inglês) Français (Francês)

TSA.com .- A reconciliação entre Marrocos e Espanha foi conseguida à custa do povo saharaui e dos migrantes subsaarianos.

Enquanto deixou passar milhares deles pelos enclaves de Ceuta e Melilla, como em Maio de 2021, a polícia marroquina fez um uso desproporcionado da força na sexta-feira 24 de Junho para impedir os migrantes de atravessarem a única fronteira terrestre entre a África e a Europa.

A força desproporcionada é um eufemismo para o elevado sofrimento humano. A carnificina é um adjectivo mais apropriado. 23 jovens de diferentes nacionalidades africanas morreram, outras dezenas ficaram feridas.

Os sobreviventes foram tratados de forma desumana, empilhados uns sobre os outros no terreno, de acordo com imagens transmitidas pela Associação Marroquina dos Direitos Humanos (AMDH).

As imagens chocaram as pessoas em todo o mundo. Os migrantes podem ter tentado forçar a sua entrada no enclave espanhol e também feriram agentes da polícia, como alegam as autoridades marroquinas, mas não há qualquer justificação para um tal sofrimento humano.

Mesmo a explicação apresentada, nomeadamente que as vítimas caíram do topo da cerca de segurança, não sobrevive ao escrutínio. Há anos que migrantes marroquinos e subsaarianos escalam regularmente a mesma cerca e raramente há relatos de quedas fatais.

Em Maio de 2021, mais de 10.000 migrantes invadiram o outro enclave de Ceuta e a polícia marroquina deixou que isso acontecesse. Muita coisa mudou no espaço de um ano, precisamente nas relações entre Marrocos e Espanha.

A crise entre os dois países estava no seu auge após a hospitalização em Espanha do líder da Polisario, Brahim Ghali. As autoridades marroquinas tinham então aberto a porta à migração para forçar a Espanha a tomar a iniciativa da questão do Sahara Ocidental. E a chantagem, que foi denunciada até mesmo pelo Parlamento Europeu, acabará por dar frutos.

Cinismo

A 18 de Março, alguns dias após outro grande assalto a Melilla, os dois países anunciaram a sua reconciliação à custa de uma reviravolta histórica de Madrid, que quebrou com a sua neutralidade para apoiar o plano de autonomia marroquina.

A contraparte foi vista na sexta-feira, 24 de Junho, às portas de Melilla. O que aconteceu ilustra tanto o cinismo de Marrocos, pronto a fazer tudo para alcançar o seu projecto colonialista no Sahara, como da Europa, ansiosa por ter as suas fronteiras guardadas por outros, “sem sujar as suas mãos”.

“Marrocos permite-se certas coisas que não seriam aceitáveis em Espanha”, resumiu correctamente o presidente da câmara do enclave espanhol.

“A principal causa desta catástrofe é a política migratória levada a cabo pela União Europeia em cooperação com Marrocos”, afirmou a Associação Marroquina para os Direitos do Homem.

Para além deste arranjo e do drama que se seguiu, algumas reacções ouvidas na Europa são também chocantes. A começar pelo do presidente do governo espanhol, Pedro Sanchez, que ilibou completamente os seus novos amigos marroquinos.

“A gendarmerie marroquina tinha trabalhado em coordenação com as forças de segurança espanholas para repelir o violento assalto a que assistimos (…) Se alguém é responsável pelo que aconteceu na fronteira, são as máfias que traficam seres humanos”, disse Sanchez, sem sequer uma palavra de pesar pelas vidas humanas perdidas.

Embora os governos europeus tenham permanecido em silêncio, as correntes de extrema-direita estão a gritar “invasão”. Este tipo de evento é uma dádiva de Deus para os racistas da Europa.