Reino de Marrocos reage à greve de fome dos 13 prisioneiros do grupo Gdeim Izik iniciada a 1 de março de 2016

12823054_1326062737410067_1534125209_o

5 de março de 2016 – porunsaharalibre.org

12821969_1325666227449718_1538342759_nNuma declaração ao jornal marroquino “Le Matin”, a Delegação das Penitenciárias e Reinserção Social (DGPRS) de Marrocos reage à greve de fome dos 13 prisioneiros do grupo Gdeim Izik iniciada a 1 de março de 2016. A DGPRS afirma que a greve de fome dos 13 presos não está relacionada com as suas condições de detenção, realçando que os presos em questão usufruem de todas os direitos garantidos pela lei marroquina. e que além disso foram agrupados num “bairro” da prisão , que lhes são permitidas visitas de familiares e amigos próximos, assim como a entrega de comida do exterior.

A DGPRS declara ainda que se trata de um grupo de detidos que estão presos por fazerem parte de um bando criminoso que praticam atos violentos contra forças da autoridade com o intuito de lhes provocar danos, o que levou à morte de alguns agentes.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Os Corpos Gerentes do Sindicato dos Professores do Norte (SPN/Fenprof) manifestam o seu apoio e solidariedade aos presos saharauis de Gdeim Izik

logospn

Porto, 5 de Março de 2016  – porunsaharalibre.org

Solidariedade com presos saharauis em greve de fome

No dia 1 de março, 13 presos políticos saharauis iniciaram uma greve de fome, por tempo indeterminado, reivindicando o direito à sua liberdade e chamando a atenção da comunidade internacional para uma detenção que a Organização das Nações Unidas considera arbitrária (Relatório 2014 do Relator Especial para a detenção arbitrária).

Os Corpos Gerentes do Sindicato dos Professores do Norte (SPN/Fenprof), reunidos no dia 5 de março de 2016, manifestam o seu apoio e solidariedade aos presos saharauis de Gdeim Izik, em cativeiro há mais de cinco anos. A sua condenação pelo Tribunal das Forças Armadas reais marroquinas a penas que variam entre 20 anos e prisão perpétua, traduzem a vingança do Estado marroquino face à luta pacífica do povo saharaui pela sua independência.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>