General

Comunicado dos presos políticos saharauis do Grupo Gdeim Izik

12072625_1234764073206601_3940312542092592906_n

Prisão local de Salé 1 2016/08/04

(Repúdio a Marrocos)

Num um ato perigoso e sem precedentes refletindo as contínuas violações e nos recorda o regime nazis no passado, as autoridades de ocupação marroquinas procederam nesta quarta-feira (2016/07/04) à detenção de uma delegação internacional de advogados e juristas, que estavam hospedados num hotel em Rabat, capital de Marrocos. Eles foram interrogados e intimados a deixar o reino sendo expulsos para os seus países, numa flagrante violação das normas e convenções internacionais.

A intenção dos juristas era dar uma conferência de imprensa para denunciar as persistentes violações dos direitos humanos e condenação arbitrária por um tribunal militar, e a nossa grave condição de saúde que se tem deteriorado na prisão.

Os juristas expulsos são: O magistrado espanhol Jesus Maria Martin Morillo, os advogados andaluzes Francisco Serrano e Juan Carlos Gomez Justo, o advogado aragonês Altamira Guelbenzu, a advogada das canárias Maria Nieves Cubas Armas, o advogado belga Eric David, a advogada francêsa Ingrid Metton e a sua assistente, da mesma nacionalidade, Joelle Toutain.

Este é um ato de desprezo grave demonstrado pelo Estado marroquino pelos direitos humanos e as exigências do direito internacional. É, novamente, um reflexo das acusações infundadas que nos são impostas.

Ao impedir a comunidade internacional, juristas e observadores a falar sobre estas violações em curso, aceitas estas ofensas ao direito internacional e dos direitos humanos, torna-se um crime, não é nada mais do que uma flagrante violação da lei e um insulto à comunidade internacional.

Estamos muito preocupados que esses atos desumanos e as contínuas violações como um apartheid, por isso, declaramos à opinião pública:

1. Condenamos veemente esta expulsão covarde e perigosa pelo Estado marroquino dos advogados internacionais que confirma o seu medo de ser denunciado pelas graves violações dos direitos humanos que comete.

2. Solidarizamo-nos absoluta e incondicionalmente com todos os observadores que foram perseguidos, insultados e expulsos pelo Estado marroquino, designadamente com a delegação de advogados internacionais.

3. Apelamos a todas as pessoas de consciência, defensores da liberdade, direito, justiça e paz, para unir forças para intervir e pôr fim ao nosso cativeiro e forçar o Estado marroquino a cumprir com os requisitos do direito internacional e as obrigações internacionais, para garantir a nossa libertação e a libertação de todos os presos políticos saharauis, sem qualquer limitação ou condição.

Grupo saharauis presos políticos Gdeim Izik, prisão local de Salé 1.

2016/04/08

Ayúdanos a difundir >>>

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies