Morre Brahim Saika, sindicalista e preso político saharaui após ser torturado e passar varios dias em greve de fome

ce4ac879-0621-4b9e-a5da-2517e2d8896eFonte: Activistas saharauis de Gulemin, 15/04/2016

O preso político saharaui Brahim Saika morreu hoje num hospital em Agadir (Marrocos), depois de estar um coma ha vários dias após ter sido detido arbitrariamente e torturado na esquadra de Gulemin.

Brahim Saika, de 31 anos, graduado da universidade com um mestrado em sociologia, foi um dos líderes da Coordenadora dos saharauis desempregados, preso no dia 1 de abril depois de sair da sua casa na cidade de Gulemin. A sua detenção ocorreu quando tentava realizar um protesto pacífico para chamar a atenção para a situação dos desempregados saharauis. Ele foi imediatamente levado para a esquadra, onde foi torturado durante horas. Brahim, decidiu iniciar uma greve de fome para protestar contra os maus-tratos a que estava a ser submetido, tratamento habitual a que são sujeitos os presos políticos saharauis. Read more

Ayúdanos a difundir >>>