Manifestações diárias nos territórios ocupados pela autodeterminação do Sahara Ocidental

mano

19 de junho de 2016, porunsaharalibre.org

Após 25 anos de espera por um referendo que não chega, e 11 anos após o inicio da intifada pacífica, a população saharaui está mais determinada que nunca a alcançar a independência , a autodeterminação e dizer adeus de uma vez para todas ao regime de terror da ocupação Marroquina.

Numa conjuntura de enorme impasse na situação do Sahara Ocidental devido à continua inércia da ONU impor a realização do referendo para o Sahara Ocidental acordado em 1991, a escalada de terror sore a população saharaui nos territórios ocupados com gravíssimas violações dos direitos humanos, a expulsão por parte de Marrocos de parte do contingente da MINURSO e o falecimento de S. Exa. o Presidente da RASD Mohamed Abdelaziz, os saharauis em pleno ramadão multiplicam manifestações em El Aaiun e outras cidades dos territórios ocupados.

As várias organizações e associações saharauis de defesa dos direitos humanos, pela autodeterminação, movimento dos desempregados e vários grupos espontâneos não dão tréguas ao ocupante manifestando-se todas as noites apesar das brutais cargas policiais que sofrem donde resultam inúmeros feridos. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

A causa saharaui consegui uma vitória diplomática ao nível das Nações Unidas

boukhari_ahmed_1

Washington, 18/06/16 (SPS)

A causa saharaui registou esta sexta-feira” uma vitória diplomática” ao nível da ONU com “a consagração definitiva da Frente Polisário como o único e legítimo representante do povo saharaui”, disse o deputado da Polisario na ONU, Ahmed Boukhari.

De acordo com declarações à agência argelina APS, o diplomata saharaui disse que “este sucesso diplomático é o resultado de como as Nações Unidas, por meio do Conselho de Segurança, mantém a pressão sobre Marrocos para permitir o regresso do pessoal da MINURSO”.

“É posto um ponto final a um longo período de pressão e manobras implementadas por Marrocos para impor condições que sejam contrárias ao direito internacional e aos princípios que dita da Comissão dos 24”, diz Ahmed Bukhari. Read more

Ayúdanos a difundir >>>