Paloma Lopez (IU): “Com a COP 22, Marrocos esconde a ocupação do Sahara atrás de um halo verde “

Paloma López, eurodiputada de Izquierda Unida

Paloma López, eurodiputada de Izquierda Unida

porunsaharalibre.org

Declaração de voto oral sobre na sessão plenária do Parlamento Europeu, de Paloma Lopez, deputada da Esquerda Unida (Espanha), acerca das propostas de resolução sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima 2016 (COP 22), em Marraquexe (Marrocos).

Paloma Lopez considera as propostas da UE para a COP22 de Marraquexe pouco ambiciosas e avisa sobre o uso propagandístico deste evento pelo regime marroquino.

A deputada também lembrou aos demais deputados que Marrocos, anfitrião da COP22, é responsável pela expulsão da MINURSO (missão da ONU para o Sahara Ocidental), missão que até hoje não está em seu pleno funcionamento, apesar das partes acordaram o retorno de todos os seus membros; É responsável pela quebra do cessar-fogo, assinado por Marrocos e a Frente Polisario em 1991 sob os auspícios das Nações Unidas; É responsável pela cruel repressão de manifestantes saharauis no Sahara Ocidental ocupado. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Marrocos: democracia de fachada para violar os direitos humanos no Sahara Ocidental

doble-fachada-620x310Fonte: diasporasaharaui-es

Ninguém está surpreendido com o resultado das eleições legislativas em Marrocos. O fato de que o Partido Justiça e Desenvolvimento, o partido no poder, ganhou, já havia sido decidido previamente nos gabinetes do palácio real. Assim como o fato de que na cena política marroquina só pudessem entrar os partidos que juraram fidelidade à corrupção da monarquia Alauíta.

Como em todas as anteriores, não houve surpresas nestas eleições cuidadosamente orquestradas. Desde a sua entronização em 1999, Mohammed VI, com o apoio da França aperfeiçoou a arte de criar uma fachada democrática. Paris precisa apresentar Marrocos como a única democracia no Magrebe para justificar o seu apoio a Rabat na sua ocupação do Sahara Ocidental e as suas violações dos direitos humanos na ex-colônia espanhola. Portanto, nos últimos anos, têm realizado mudanças superficiais, de modo a fingir que cumpre as normas e padrões internacionais, mas deixando na prática, todo o poder nas mãos do rei. Read more

Ayúdanos a difundir >>>