Mais de vinte eurodeputados exigen intervenção de Mogherini para que Marrocos liberte os presos saharauis de Gdeim Izik

lopez_640_330

Fonte: iueuropa.org

Mais de vinte deputados -de Cinco grupos parlamentares distintos- e de nove Estados-Membros aprovaram uma carta promovido pela Esquerda Unida por iniciativa de Paloma Lopez, vice-presidente do Intergrupo sobre o Sahara Ocidental, em que é pedido à Alta Representante é da União Europeia para os Negócios Estrangeiros, Federica Mogherini, a mediação para que o Reino de Marrocos liberte os 21 prisioneiros de Gdeim Izik e anule o acórdão do tribunal militar que os condenou em 2013 por terem participado no acampamento da dignidade três anos antes.

Na carta, os deputados mostram a sua preocupação com a situação dos detidos transferidos da prisão para prisão de El Arjat em Rabat a 31 de agosto sem as suas famílias fossem informadas. Devem ser julgados novamente, na capital marroquina, desta vez por um tribunal civil, graças à pressão internacional, reivindicando a anulação da sua condenação anterior.

A forma como a transferência ocorreu, é agravada pelo fato de que o Reino de Marrocos volta a violar os direitos fundamentais destes políticos ao envia-los a 1.200 quilômetros de suas casas em El Aaiun. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

A POLISARIO apela ao Conselho de Segurança da ONU a tomar medidas “urgentes” para a autodeterminação do povo saharaui

sn-frente-polisario

Chahid El Hafed, 2016/10/09 (SPS)

O Secretariado Nacional da Frente Polisario pediu ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que tome medidas concretas “urgentes e cruciais” para acabar com a arrogância e a intransigência de Marrocos e para a retomada urgente do processo de paz da ONU/OUA para organizar o referendo de autodeterminação do povo saharaui.

Numa declaração que coroou a sua terceira reunião ordinária realizada a 8 e 9 de Outubro, presidida pelo Presidente da República e SG da Frente Polisario, Brahim Ghali, o SN da Frente POLISARIO condenou veementemente as violações deliberadas e repetidas do acordo de cessar fogo por parte de Marrocos e responsabilizou o Estado marroquino pela perigosas consequências desta escalada, para a paz, a segurança e estabilidade na região. Read more

Ayúdanos a difundir >>>