Aziz Aluahadi, estudante saharaui e preso politico há 32 dias em greve de fome

15211793_1560686800614325_499962756_nTodos os estudantes saharauis presos politicos detidos em Marraquexe encontram-se em greve de fome aberta.

Aziz Aluahadi, entrou em greve de fome a 24 de Outubro em protesto contra o adiamento do julgamento e as torturas e maus tratos a que ele e os restantes estudantes saharauis presos em Marraquexe são sujeitos desde a sua detenção arbitrária.

Os outros estudantes detidos em Oudaya, Marraquexe uniram-se a sua greve de fome há 10 dias atrás em solidaridade com Aziz.

Aziz tem 23 anos, é estudante em, e membro da associação de estudantes saharauis de Agadir, foi detido a 6 de Fevereiro de 2016 devido à sua participação em protestos contra a ocupação marroquina do Sahara Ocidental. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Espanha e Portugal invadidos por Marrocos

peninsula-ibericaImagine o seguinte cenário:

Mohamed VI envia frotas com milhões de colonos marroquinos, numa “marcha azul” para ocupar os territórios de Espanha e Portugal após assinar um acordo com a União Europeia e retirar todos os cidadãos marroquinos dos restantes países europeus.

Junto com os colonos chegam os bombardeiros, os navios de guerra e todos os meios militares marroquinos, apoiados por Israel, Emirados Árabes e Arabia Saudita, os EUA dão o seu apoio silencioso. França também apoia a invasão limitando-se a fechar todas as fronteiras com Espanha após ter colocado aí os marroquinos vindos dos países francófonos da Europa.

A população espanhola e portuguesa é obrigada a entregar toda a documentação pessoal e a mesma é substituída por documentos marroquinos.

Marrocos inicia a construção de um muro que separa Espanha de França, única fronteira terrestre. Postos de controle são colocados em todas as artérias principais. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Eurodeputados exortam UE a não participar em projetos de energias renováveis marroquinas no Sahara Ocidental

energía renovable

Bruxelas, 23 de Novembro de2016 (SPS)

Cerca de cinquenta deputados opuseram-se à importação de energia renovável no Sahara Ocidental e a participação da União Europeia (UE) na execução de projetos marroquinos neste território, no respeito pelo princípio da soberania permanente dos povos sobre seus recursos naturais, quando eles estão sob ocupação estrangeira.

Numa carta datada de 18 de novembro, os deputados, que representam quase todos os grupos políticos do Parlamento Europeu, pediram aos Estados-Membros para informar as empresas que desejam investir em actividades desenvolvidas pelo governo marroquino no Sahara Ocidental sobre a ilegalidade dessas atividades que contradizem o direito internacional.

Exortaram ainda a UE a assegurar que as importações de energia a partir de Marrocos não incluem a energia produzida no Sahara Ocidental e as suas instituições respeitem o compromisso da UE de não alocar recursos para as instalações que produzem energia renovável no Sahara Ocidental. Read more

Ayúdanos a difundir >>>