“A ONU deve estar preparada para mudar”, Tomada de posse de Guterres como SG das Nações Unidas

Num discurso de aproximadamente 18minutos António Guterres optou por não mencionar nenhum conflito específico mas enfatizar a necessidade da eficácia das Nações Unidas e dos seus mecanismos.

Guterres que discurso nos três idiomas europeus oficiais da ONU (inglês, francês e espanhol) mostrou-se preocupado com os desafios que enfrenta atualmente o mundo, e que os vários avanços nos últimos anos, ao nível da globalização e das tecnologias também resultaram em maior instabilidade, violência e conflito. “A globalização fez aumentar as desigualdades. Muita gente ficou para trás, incluindo nos países desenvolvidos”, disse Guterres.

“A ONU deve estar preparada para mudar”, afirmou Guterres, falando da “incapacidade” das Nações Unidas para prevenir crises. …Devemos duplicar os esforços para resolver os conflitos…., ”

“A prevenção é o que os fundadores das Nações Unidas nos pediram para fazer. É a melhor forma de salvar vidas e de reduzir o sofrimento humano. Onde a prevenção falha, devemos fazer mais para resolver conflitos”, considerou. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

O maior muro de separação do mundo

A extensão do muro chega para isolar por completo Portugal

*Imagem: Francesc Verdugo para porunsaharalibre.org

O muro marroquino no Sahara Ocidental, é o maior de seu tipo em todo o mundo mas ninguém fala nele, separa desde os anos 80 a população saharaui dos territórios ocupados dos seus familiares nos territórios libertados e nos campos de refugiados do sul da Argélia. É também ao longo do muro que se encontra o território mais minado per capita do mundo, que ceifou milhares de vidas.

O muro da vergonha no Sahara Ocidental, é composto por um conjunto de instalações militares ao longo dos seus 2.720 quilômetros de extensão e foi construído por Marrocos nos anos 80 para dividir a população saharaui, controlar os territórios ocupados, explorar ilegalmente e assegurar a segurança da mina de fosfatos “Fos Bucraa” , o acesso ao mar, para além das reservas e lençóis subterrâneos de água potável. É a maior barreira operacional militar no mundo, e o seu maior perigo reside nos campos de minas terrestres antipessoais e antitanque que já ceifaram a vida a milhares de saharauis. Existe uma companhia militar a cada cinco quilómetros e um radar a cada 15. Além disso existem tanques, drones, satélites e todos os equipamentos sofisticados de guerra.

O custo diário da manutenção do muro com mais de 150 000 soldados marroquinos estima-se em mais de 1 milhão de euros por dia. A construção teve o apoio dos EUA, Israel, França, Arabia Saudita e Qatar.

Para entender melhor a extensão do muro e a quantidade de minas há que dar um termo de comparação. Se o muro fosse construído na Europa seria suficientemente grande para isolar por completo Portugal Continental (todo o perímetro tanto fronteiras terrestres como marítimas); a ilha da Madeira e as ilhas de São Miguel , São Jorge, Faial e Corvo do arquipélago dos Açores. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Direitos Humanos no Sahara fora da presidência espanhola do Conselho de Segurança

Derechos Humanos Sahara

Por Alfonso Lafarga / elespíadigital.com

“A defesa e promoção dos direitos humanos é um dos principais pilares da acção da Espanha nas Nações Unidas”…

aparece publicado no site do Ministério dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, por ocasião da adesão de Espanha, como um membro não-permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas no biénio 2015-2016.

Em 26 de dezembro de 2014, poucos dias antes de siniciar o mandato de dois anos no Conselho de Segurança, o primeiro-ministro, Mariano Rajoy, disse no Palácio de la Moncloa que Espanha “vai continuar a defender os princípios em que se baseia a nossa convivência: liberdade, o respeito pelos direitos humanos, democracia e cooperação entre as nações “.

Estas palavras de compromisso do presidente Rajoy foram relembradas n El Espia Digital em um dos relatórios que a cada mês resumem as violações dos direitos humanos que são cometidos diariamente nos territórios ocupados do Sahara Ocidental por Marrocos. Read more

Ayúdanos a difundir >>>