Leila Lili sequestrada em El Aaiun por agentes marroquinos

A activista Leila Lili participava hoje a tarde em El Aaiun numa manifestação de apoio a Ali Saadoni, preso politico saharaui que está em greve de fome.

Leila Lili estava vestida com uma mehlfa (traje tradicional saharaui) feito com uma bandeira da RASD (República Árabe Saharaui Democratica) que segunda testemunhas lhe foi arrancada do corpo por agentes marroquinos que em seguida a levaram para local desconhecido.

A tensão em El Aaiun entre activistas e agentes das autoridades de ocupação tem vindo a escalar. Não só a recente detenção de Ali Saadoni, Nouradin Elargoubi e Khaliehna Elfak desplotou mais manifestações, como também a aproximação do julgamento do grupo de Gdeim Izik no próximo dia 26 de Dezembro, o julgamento no dia 5 de Janeiro do grupo de estudantes detidos em Marraquexe e um conjunto de detenções arbitrárias de activistas, contribuem para um clima de grande tensão. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Confederação Intersindical exige a anulação das sentenças e liberdade dos presos políticos saharauis

Madrid, 09/12/16(SPS)

A Confederação Intersindical exigiu na sexta-feira a anulação das sentenças impostas por um tribunal militar marroquino em 2013 aos presos políticos do Grupo Gdeim Izik e classificou o julgamento como uma farsa e sem o devido processo legal.

A Confederação, rejeita este segundo julgamento e une-se à campanha exigindo a anulação do referido julgamento e liberdade dos presos políticos.

A Confederação Intersindical num comunicado divulgado hoje, expressou a sua “solidariedade com os presos políticos saharauis e rejeita este novo julgamento. Acreditamos que a administração marroquina não tem legitimidade nem competência para agir contra eles, porque o Reino de Marrocos, de acordo com todas as resoluções internacionais e as Nações Unidas a este respeito – não tem o reconhecimento de qualquer jurisdição ou soberania sobre o território não autónomo do Sahara Ocidental. Além disso, é um processo em que pessoas inocentes foram processadas, e foram incriminadas devido a um protesto pacífico no qual milhares de saharauis que exigiram os seus direitos básicos ” Read more

Ayúdanos a difundir >>>