Marrocos nervoso com julgamento de Gdeim Izik

A policia marroquina impediu ontem familiares de Hassan Dah, preso politico de Gdeim Izik de viajarem para Rabat.

Fatimatu Dahwar e Aziza Biza foram obrigadas a sair do autobus onde viajavam e regressar a El Aaiun.

A policia marroquina disse-lhes que as viagens ao norte de Marrocos estavam proibidas durante os próximos dias aos saharauis.

Espera-se a presença massiva de observadores internacionais, advogados e civis no julgamento apesar da data escolhida por Marrocos, 26 de Dezembro.

As mais de 4 dezenas de observadores de 8 nacionalidades diferentes irão chegar a Marrocos nos próximos dias. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

CPPC (Portugal) solidariza-se com prisioneiros politicos de GDEIM IZIK

Solidariedade com os presos políticos saarauís (Conselho Português para a Paz e Cooperação – CPPC)

Tendo em conta que, no próximo dia 26 de Dezembro, se irá realizar o julgamento no tribunal civil de Sale, em Rabat, Reino de Marrocos, do grupo de presos políticos saarauís, conhecidos como Grupo de Gdeim Izik, activistas de defesa de direitos humanos e do legítimo direito do povo saarauí à sua auto-determinação, que já tinham sido ilegalmente julgados num tribunal militar marroquino em Fevereiro de 2013, tendo-lhes sido atribuído penas que vão de 20 anos a prisão perpétua, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), na sequência de posições anteriores, reitera a sua solidariedade com os presos políticos saarauís em prisões marroquinas, reivindicando o seu direito à liberdade e chamando a atenção para uma prisão que a Organização das Nações Unidas considera arbitrária (Relatório 2014 do Relator Especial para a detenção arbitrária).

Recorde-se que estes activistas foram sequestrados, detidos e torturados nos dias e semanas após o brutal desmantelamento, por parte das autoridades marroquinas, do acampamento de protesto Gdeim Izik, nos territórios ocupados do Saara Ocidental, que durante um mês, em 2010, reuniu dezenas de milhares de saarauís, homens, mulheres e crianças num protesto pacifico, para exigirem os seus direitos sociais, económicos e políticos, nomeadamente o direito à auto-determinação. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Movimento Democrático de Mulheres (MDM – Portugal) solidariza-se com prisioneiros politicos de GDEIM IZIK

O Movimento Democrático de Mulheres (MDM- Portugal) solidariza-se com as mulheres e o povo saaraui na sua luta pela autodeterminação e solicita a libertação dos presos políticos que foram julgados num tribunal militar marroquino e que mais não fizeram que manter a sua luta de décadas pela libertação do seu povo.

No próximo dia 26 de Dezembro serão submetidos de novo a um julgamento por autoridades de Marrocos que ocupam ilegalmente o território e são responsáveis pelas difíceis condições de vida destas populações.

Nós, portuguesas, não esquecemos os efeitos do colonialismo sobre os povos colonizados por Portugal em Africa, e a dura luta que os povos de Africa travaram pela sua independência. Com a sua luta foi também possível o 25 de Abril em Portugal que nos garantiu a liberdade e abriu as portas ao desenvolvimento e à igualdade.

O secretariado executivo do MDM
Regina Marques Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Brasil faz doação humanitária à Argélia

Fonte: Agência de Notícias Brasil-Árabe

Governo brasileiro destinou R$ 1,2 milhão para a compra de alimentos no país árabe, no Sudão do Sul e no Haiti. Recursos são da Agência Brasileira de Cooperação.

São Paulo – A Agência Brasileira de Cooperação (ABC) doou R$ 1,2 milhão ao Programa Mundial de Alimentos (PMA) para ser repassado à Argélia, ao Sudão do Sul e ao Haiti. A verba tem como objetivo garantir a compra de alimentos a pessoas necessitadas nos três países.

Em nota, o PMA destaca que a Argélia abriga refugiados do Saara Ocidental e que o programa enfrenta desafios para fornecer alimentos a essa população. O Sudão do Sul passa por uma crise política e uma grave guerra civil, enquanto o Haiti sofre com as consequências da passagem de um furacão em outubro, que afetou dois milhões de pessoas. Read more

Ayúdanos a difundir >>>