Brahim Ghali: “Marrocos é chamado a contribuir para a plena aplicação do plano de paz”

Addis Abeba, 01/02/17 (SPS)

O Presidente da República e SG da POLISARIO, Brahim Ghali, disse em Addis Ababa que a adesão do Reino de Marrocos a União Africana compromete o reino a contribuir eficazmente para a execução do plano de paz da ONU – UA no Sahara Ocidental e o respeito à soberania da República Saharaui no seu território.

O Presidente salientou que a União Africana continua a ser um importante garante das Nações Unidas na implementação do plano de resolução, bloqueada pelo regime marroquino ao longo dos anos, e trabalhar para a resolução completa do conflito entre os dois membros da organização continental.

Observou ainda que Marrocos para aderir à União Africana é obrigado a participar nos esforços das duas organizações (União Africano e da Organização das Nações Unidas) na resolução do conflito do Sahara Ocidental. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

A 28 cimeira da UA pede à ONU para restaurar a funcionalidade completa da MINURSO

Addis Abeba, 31/01 / 17SPS)

A 28 cimeira de Chefes de Estado e de Governo da União Africana concluiu os seus trabalhos terça-feira na capital etíope, Addis Abeba, sob o tema “Aproveitar o dividendo demográfico, através do investimento na juventude ‘. Depois de mais de uma semana de deliberações sobre aspectos-chave , pediu ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que assuma as suas responsabilidades para a restauração completa do funcionamento da Missão das Nações Unidas para o Referendo no Sahara Ocidental (MINURSO).

Durante o último dia de sessões e pela oitava vez consecutiva, a UA aprovou terça-feira por consenso uma decisão relativa ao Sahara Ocidental, na qual exige ao Conselho de Segurança da ONU que “assumia plenamente as suas responsabilidades na restauração completa da MINURSO, essencial para monitorar o cessar-fogo e organização do referendo “.

Os líderes africanos também pediram ao Conselho de Segurança da ONU que “encontre respostas para a questão dos direitos humanos e à exploração ilegal dos recursos naturais do território, especialmente após o acórdão significativo do Tribunal de Justiça da União Europeia, de 21 de Dezembro, de 2016, os acordos assinados em 2012 entre a UE e Marrocos sobre a liberalização recíproca do comércio de agricultura e pescas. ” Read more

Ayúdanos a difundir >>>