Marrocos brinca ao Cavalo de Tróia com a AU?

Por Shannon Ebrahim* – www.iol.co.za (Traducción porunsaharalibre.org)

Marrocos poderia revelar-se um cavalo de Tróia dentro da barriga da UA, servindo para minar a unidade dentro do organismo continental, escreve Shannon Ebrahim.

Esta semana, Marrocos conseguiu o apoio de dois terços dos Estados membros da UA para a re-admissão ao organismo continental. Marrocos poderia, no entanto, provar ser um cavalo de Tróia dentro da barriga da UA, servindo para minar a luta pela autodeterminação do Sahara Ocidental, bem como minar a unidade dentro do próprio organise continental.

Somente os países da África Austral reconheceram os perigos e as contradições que a inclusão de Marrocos na União Africana representou para o continente, votando contra ela.

A maioria dos países que se opuseram à inclusão de Marrocos são liderados por antigos movimentos de libertação que confiaram na solidariedade da OUA na sua luta pela liberdade.

Compreendendo perfeitamente as consequências da inclusão de Marrocos, o ANC, o SACP e até mesmo o EFF rejeitaram firmemente a decisão da UA de re-admitir Marrocos, perguntando como Marrocos se poderia tornar membro quando o povo do Sahara Ocidental continua a sofrer sob a ocupação injusta de Marrocos.

O consenso na África Austral era que o fim da ocupação marroquina do Sahara Ocidental deveria ter sido a pré-condição para a admissão na UA.

Vários Estados da África Ocidental nunca apoiaram activamente a luta saharaui. Alguns analistas regionais argumentam que isso se deve ao fato de que as suas políticas externas têm sido historicamente mais alinhadas com a antiga potência colonial, a França, que é aliada de Marrocos.

Para muitos outros Estados africanos, o ponto de vista pode ter sido que ter Marrocos a assinar e ratificar o Acto Constitutivo da UA obriga-o a respeitar as fronteiras que existiam na independência, observar os direitos humanos e respeitar o direito dos povos ocupados à autodeterminação.

Tal otimismo é provavelmente mal colocado, uma vez que Marrocos não tem intenção de acabar com a sua ocupação neo-colonial do Sahara Ocidental. Há algumas semanas, boicotou a Cimeira Afro-Árabe em Malabo devido à presença da República Árabe Saharaui Democrática.

Funcionários sênior marroquinos declararam abertamente antes da Cúpula da UA que pretendiam trabalhar dentro da UA para expulsar o Sahara Ocidental do organismo.

Marrocos é susceptível de prosseguir a sua agenda de subornar os estados africanos com fosfatos e recursos naturais, a fim de dividir o continente em termos da sua solidariedade com a causa saharaui.

De acordo com a decisão de Dezembro de 2016 do Tribunal de Justiça da UE, Marrocos não pode mais vender produtos ou recursos do Sahara Ocidental ocupado para a Europa, pelo que Marrocos vai agora comercializar estes em África.

Não há dúvida de que Marrocos sentiu cada vez mais os efeitos do seu isolamento diplomático como o único país africano não pertencente à UA e que a sua adesão à União Europeia foi rejeitada devido à sua falta de democracia e às suas violações dos direitos humanos. A decisão do Tribunal de Justiça da UE foi outro golpe diplomático para a ocupação que Marrocos tentou durante anos legitimar.

Mas a reentrada de Marrocos na UA não será necessariamente um passeio fácil considerando o relatório desta lsemana da Cúpula da UA sobre o Sahara Ocidental.
O relatório salientou a necessidade urgente de renovar os esforços internacionais para resolver a questão do Sahara Ocidental e a UA reiterou o seu apelo à Assembleia Geral da ONU para que defina uma data para o referendo sobre a autodeterminação.

A UA comprometeu-se a proteger a integridade do Sahara Ocidental dos atos que o prejudicam e pediu a restauração da plena funcionalidade da missão da ONU para um referendo.

O melhor que se pode esperar é que a inclusão de Marrocos na UA dê nova ênfase à luta do povo do Sahara Ocidental e permita que a sua causa recupere as manchetes nos meios de comunicação internacionais.

Mas a abordagem menos otimista é que Marrocos entrou na UA com motivos sinistros, com vistas a destruir os impulsos revolucionários deixados no continente. A divisão dos Estados membros da UA nesta questão poderia ter a consequência de paralisar a UA, que pode ser parte de uma agenda oculta por parte das antigas potências coloniais e dos EUA para enfraquecer a UA.

A UA tornou-se um órgão regional cada vez mais importante, mesmo sem a capacidade de auto-financiamento.

Tomou posições fortemente independentes sobre questões africanas e tem criticado a interferência das potências ocidentais. A questão precisa ser colocada – de quem servirá se a UA deixar de funcionar como um poderoso coletivo?

Perante estes desafios mais profundos, os Estados-Membros da UA devem estar mais vigilantes do que nunca e mobilizar-se contra a ocupação do Sahara Ocidental. Eles precisarão insistir que Marrocos ponha suas cartas sobre a mesa e esclarece sua posição sobre a autodeterminação.

* Ebrahim é Editor do Group Foreign do Sunday Independent

Ayúdanos a difundir >>>