Sahara Livre! A consequência do nosso desejo de liberdade é a prisão

zawiHoucein Zawi, um dos presos políticos saharauis do grupo de Gdeim Izik, afirma que o seu único desejo é um Sahara Ocidental livre e independente de acordo com o estabelecido pelas Nações Unidas. A descolonização da última colónia de África não pode aguardar mais tempo. Respeitamos as decisões internacionais, sentamo-nos à mesa como nosso inimigo, o ocupante ilegal Marrocos, para negociar e ambas as partes assinaram e comprometeram-se com o referendo. Marrocos ao recusar-se a realizar o referendo trai no só o povo saharaui e as Nações Unidas, trai todos os princípios de honra, ética e moral. Está a dizer ao mundo a nossa palavra não é honrada, não podem confiar em nós. A consequência da minha luta não violenta pelo direito à autodeterminação e independência do meu povo é estar preso, torturado e sequestrado num país que não é o meu a mais 1000km da minha família, do meu povo.

Zawi foi condenado a 30 anos por um tribunal militar, vitima de torturas extremas e sequestro por parte das autoridades de ocupação marroquina.

Um dos 21 presos, um dos 24 acusados. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Venezuela aspira a continuar a liderar na causa da descolonização da ONU

NoticiasTerra.es

A Venezuela aspira a presidir por um segundo ano, o Comité de Descolonização da ONU, numa tentativa de quebrar o “silêncio” que em sua opinião tem rodeado esta questão nos últimos anos.

Isto foi afirmado numa entrevista à Efe pelo embaixador da Venezuela nas Nações Unidas, Rafael Ramirez, que este mês optará pela reeleição como presidente dessa comissão, responsável pela situação de 17 territórios considerados não-autónomos em todo o mundo, de Gibraltar às Malvinas , do Sahara Ocidental à Nova Caledônia.

De acordo com Ramirez, os poderes que controlam esses territórios têm tentado “diluir a comissão”, tanto através do orçamento como negando a “preponderância de descolonização que ele tem.”

“A burocracia na ONU silenciou esta questão”, disse o ex-ministro venezuelano, que acredita que o seu país tem “quebrado o silêncio” da presidência do comitê de descolonização durante os seus dois anos como membro do Conselho de Segurança (CS). Read more

Ayúdanos a difundir >>>