G14 – Criação de grupo de apoio ao Sahara Ocidental em Genebra

No passado dia 28 de Fevereiro foi criado o G14 – Grupo de apoio de Genebra ao Sahara Ocidental, no âmbito da 34ª Sessão do Conselho de Direito Humanos da ONU.

Os 14 países membros que integram este grupo são Argélia, Angola, Bolívia, Cuba, Equador, Moçambique, Namíbia, Nicarágua, Nigéria, África do Sul, Tanzânia, Timor Leste, Venezuela e Zimbabwe.

A primeira iniciativa deste grupo foi a organização de um painel sobre a situação dos Direitos Humanos no Sahara Ocidental, no dia 1 de Março no qual intervieram o Dr. Joaquim Chissano, enviado especial da União Africana para o Sahara Ocidental; Sabine Bohlke-Moller, embaixadora da Namíbia; Marciano da Silva, embaixador de Timor Leste; Hernan Roman, embaixador da Nicarágua, Mohamed Sidati, Ministro para a Europa da RASD (República Árabe Saharaui Democrática); Dra. Madalyn Wasilczuk da Universidade Cornell de Nova Iorque e o Sr. Alibuia Fadel da CONASADH (Conselho Nacional Saharaui para os Direitos Humanos). Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Jacob Mundy: “A União Africano pode ter semeado as sementes de sua própria destruição”

Jacob Mundy

Fuente: NOTICIAS DEL SÁHARA  / Zine Cherfaoui زين شرفاوي – Traduzido ao Espanhol por  Pasqual Luis Riquelme -Editado por Maria Piedad Ossaba

A União Africana (UA), aprovou a 31 de Janeiro a adesão de Marrocos, que não colocou qualquer condição para a entrada. Qual é o interesse estratégico desta associação para Marrocos e para os membros da UA? Jacob Mundy, um professor da Universidade Colgate em Nova York e um especialista sobre a questão do Sahara Ocidental, dá algumas respostas.

A União Africana (UA) acaba de aceitar a adesão de Marrocos. Na sua opinião, por que o rei Mohammed VI quis aderir à organização pan-Africana?

Eu acho que o regime marroquino percebeu o  fracasso da sua estratégia de boicote. Esta, simplesmente não funcionou. Marrocos queria que a RASD (República Árabe Saharaui Democrática) fosse expulsa da UA quando um número suficiente de Estados Africano tivesse “suspenso” o seu reconhecimento. Isto não só não aconteceu, mas, legalmente, é também impossível. A UA não tem nenhum mecanismo para expulsar um membro.

Além disso, politicamente, teria também destruído a UA, como eles alertaram claramente países como a Argélia, Nigéria e África do Sul. Alguns argumentam que Marrocos vai lidar diretamente com a RASD agora, em vez de através Argélia e enviado especial da ONU. Mas isso é uma ilusão. Como é o caso com Israel e o Estado palestino nas Nações Unidas, Marrocos vai continuar a recusar-se a reconhecer a RASD e aproveitar todas as oportunidades para exigir a sua expulsão do UA. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Conferências sobre a luta do povo saharaui em diferentes universidades colombianas

A responsável de Relações Internacionais da UNMS (União Nacional de Mulheres Saharauis) participou em várias conferências em universidades colombianas a fim de divulgar a luta do povo saharaui aos diferentes grupos da sociedade civil na Colômbia. Entre as várias actividades destaca-se uma palestra na Universidade de Pedagogia sobre o sistema educativo nos campos de refugiados saharauis e projecção de um documentário sobre as duras condições de exílio, a que se seguiu um debate aberto com mais de 120 alunos e professores. Os participantes estavam interessados na situação saharaui e os últimos desenvolvimentos deste longo conflito.

Outra conferência a salientar foi com a coordenadora de associações da sociedade civil que abrangem diferentes grupos de mulheres em todas as áreas de Bogotá e que estavam interessadas no trabalho desempenhado pelas mulheres saharauis na sua dupla luta pela liberdade e pelo empoderamento.

A Associação Colombiana de amizade com o povo saharaui comemorou o 41º aniversário da RASD colocando uma bandeira saharaui sob a estátua de Bolívar na praça central da capital. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Internacional Socialista concedeu por unanimidade status consultivo à Polisário apesar das tentativas de impedimento marroquinas

Cartagena das Índias (Colômbia), 2017/02/03 (SPS)

A Internacional Socialista (IS) concedeu por unanimidade status consultivo à Frente POLISARIO, durante a reunião do Conselho realizada ontem na cidade de Cartagena de Indias, na Colômbia, que comecou a 02 de março, o XXV Congresso da organização mundial dos partidos socialistas e trabalhistas; e em que particpa uma delegação da Frente POLISARIO chefiada pelo Sr. Mohamed Salem Ould Salek, membro do Secretariado Nacional da Frente Polisario e Ministro dos Negócios Estrangeiros da RASD, e composta por Mohamed Bachir Sidi, Mohammed Ali Limam Representante a Frente Polisario para o Reino Unido e a Sra. Jadiyetu Mokhtar, Chefe de Relações internacionais do UNMS.

Essa decisão foi tomada democraticamente pelo Comitê da ética da Internacional Socialista na sua reunião no dia 28 de fevereiro, por 5 votos a favor e 3 contra. Alguns dos participantes e membros deste comité disseran durante a reunião do Conselho de que, nao se deveria discutir de novo um tema que tinha sido discutido aprofundadamente e de forma exaustiva durante a reunião do Comitê de Ética e que concedeu à Frente POLISARIO o status consultivo. Read more

Ayúdanos a difundir >>>