O Presidente da RASD pede a Antonio Guterres uma intervenção imediata para a libertação incondicional dos presos políticos saharauis

Bir Lahlou, 13/03/2017 (SPS)

O Presidente da República, e secretário-geral da Frente Polisario, Brahim Ghali solicitou ao Secretário-Geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, “intervir imediatamente para garantir a libertação imediata e incondicional dos prisioneiros do grupo de Gdeim Izik e todos os presos políticos saharauis nas prisões marroquinas ”

Numa carta enviada no domingo, um dia antes da apresentação dos presos políticos saharauis em Gdeim Izik perante um tribunal marroquino, o Presidente chamou a atenção do Secretário-Geral da ONU sobre o novo julgamento ilegal a que os prisioneiros serão submetidos, hoje 13 de março de 2017, após uma série de adiamentos e atrasos desde que um tribunal militar marroquino injustamente condenou 24 saharauis presos políticos com penas que variam de 20 anos a prisão perpétua, após protestos pacíficos organizados por dezenas de milhares de cidadãos saharauis no acampamento Gdeim Izik em outubro de 2010.

O Presidente observou que, desde 26 de dezembro do ano passado, o julgamento ilegal foi adiada duas vezes, por “razões pouco convincentes” como uma forma de tortura psicológica para além das piores formas de tortura física e ausência de direitos básicos como foi denunciado por várias organizações internacionais.

“Estas violações graves dos direitos humanos e outras práticas bárbaras e desumanas é uma continuação da política de intimidação seguido pelo regime marroquino contra os cidadãos saharauis nos territórios ocupados do Sahara Ocidental e no sul de Marrocos e em universidades marroquinas desde o início da ocupação do Sahara Ocidental em outubro de 1975. “, diz a carta.

A comunidade internacional e as Nações Unidas, em particular, deve assumir a sua responsabilidade com o Sahara Ocidental através da protecção dos direitos humanos dos saharauis que aguardam descolonização através de um referendo para o povo saharaui exercer o seu direito inalienável à autodeterminação e independência sob os auspícios da ONU, insiste o presidente na sua carta a Guterres.

“Não pode haver uma atmosfera favorável para as negociações persistindo nas flagrantes violações por parte de Marrocos em desrespeito do direito internacional humanitário, o direito internacional, as resoluções internacionais, e ameaçam minar os esforços para uma solução justa e duradoura para o conflito” , acredita o presidente.

“Reiteramos o nosso apelo urgente a prolongar o mandato da MINURSO para incluir monitorização e observação da situação dos direitos humanos, para parar a pilhagem dos recursos do Sahara Ocidental, o desmantelamento do muro da vergonha marroquina, um crime contra a humanidade e implementação imediata do plano de resolução da ONU -OUA (agora UA) de organizar um referendo de autodeterminação do povo saharaui “.

Ayúdanos a difundir >>>