Declarações de Marrocos, Argélia e Polisário sobre resolução das NU sobre o Sahara Ocidental

No final da reunião do Conselho de Segurança no passado dia 28 de Abril, Marrocos  e Argélia foram entrevistados pelos jornalistas no local para realização de conferências de imprensa nas Nações Unidas, ao contrário da Frente POLISARIO, algo incompreensível uma vez que é uma das partes do conflito e parte das negociações (apesar de não ser membro da ONU), devendo ter o direito de emitir a sua opinião da mesma forma e no mesmo local que a parte contrária. O embaixador de Marrocos falou de forma entusiástica e demoradamente, conseguindo no seu discurso insultar países, a União Africana e organizações

Leer más …Declarações de Marrocos, Argélia e Polisário sobre resolução das NU sobre o Sahara Ocidental

Resolução sobre Sahara Ocidental aprovada por unanimidade do CS após reequilíbrio do texto

A reunião do Conselho de Segurança (CS) da ONU que foi adiada de dia 27 para dia 28 e devia ter lugar às 17h00 (hora de Nova Iorque) começou com mais de uma hora de atraso após a confirmação oficial da MINURSO (Missão das Nações Unidas para o Referendo no Sahara Ocidental) da retirada da Frente Polisario da zona tampão de Guergarat onde o movimento de libertação se teve que instalar após uma incursão do Reino de Marrocos que violou o acordo de cessar-fogo em Agosto passado.

MINURSO seguirá em Guergarat

O comunicado de Imprensa divulgado pelo porta-voz do Secretário Geral (SG) dia 28 de Abril à tarde,  saúda a decisão da retirada da POLISARIO da zona de Guergarat e informa que “a MINURSO tenciona manter a sua posição na Faixa de Segurança desde Agosto de 2016 e continuar a debater a futura vigilância da zona e toda a gama de questões relacionadas com a Faixa de Segurança com as partes.”

Marrocos tentou com esta manobra não só ocupar mais uma parte do território como desviar a atenção das Nações Unidas para a área de Guergarat, atrasar assim mais uma vez a negociação e focar a atenção dos média nesta situação em vez das graves violações dos direitos humanos nos territórios ocupados , o muro de separação e o recente acórdão do Tribunal de Justiça Europeu que determina como ilegal a comercialização de qualquer produto originário do Sahara Ocidental por parte de Marrocos, que afirma não ter soberania sobre esse território.

Leer más …Resolução sobre Sahara Ocidental aprovada por unanimidade do CS após reequilíbrio do texto

Mais de uma centena de vídeos mostram a violação sistemática dos direitos humanos por Marrocos no Sahara Ocidental

Fonte: Watching Western Sahara

Após de analisar mais de uma centena de vídeos gravados clandestinamente por jornalistas saharauis no Sahara Ocidental, uma equipe internacional de especialistas em verificação de vídeo encontrou um padrão de violações sistemáticas dos direitos humanos cometidas por Marrocos contra a população saharaui.

Estas violações incluem o uso de brutalidade policial e intervenções violentas contra saharauis que se manifestam pacificamente para exigir os seus direitos básicos: o acesso à educação, emprego, liberdade de expressão e de reunião e, acima de tudo, a autodeterminação, através da realização de um referendo há muito prometido para acabar com mais de 41 anos de ocupação marroquina do Sahara Ocidental.

Na véspera da votação do Conselho de Segurança das Nações Unidas, neste mês de abril, para renovar o mandato da sua missão de paz no território, a equipe Watching Western Sahara publica o seu primeiro relatório anual resumindo 12 meses vídeos gravados e compartilhados por testemunhas oculares e ativistas de vídeo.

Leer más …Mais de uma centena de vídeos mostram a violação sistemática dos direitos humanos por Marrocos no Sahara Ocidental

Florent Marcellesi (EQUO) Solicita ao Consulado de Espanha em Amsterdão para verificar se um barco de carga do Sahara Ocidental viola o direito europeu

EQUO, através do seu Eurodeputado, Florent Marcellesi, enviou uma carta ao Sr. Javier Garrigues Flórez, Cônsul Geral da Espanha em Amsterdão, a fim de alertá-lo para a chegada de um navio de bandeira espanhola, o Albiz, ao porto de Dordrecht com possíveis produtos do Sahara Ocidental.

De acordo com as informações analisadas pelo Partido Verde, o navio deixou o porto de El Aaiun, capital do Sahara Ocidental, em 23 de abril, com um carregamento não identificado. Ao chegar a este porto a do navio era de 4,4, enquanto que no domingo passado ao sair era 6,5. O mais provável é que podem ser produtos do Sahara Ocidental, cuja importação para a União Europeia é ilegal à luz do recente acórdão do Tribunal de Justiça da União Europeia, reconhecendo o direito à autodeterminação do povo saharaui declarando nula a implementação dos acordos de associação e de liberalização da UE -Morocco em território do Sahara Ocidental.

Leer más …Florent Marcellesi (EQUO) Solicita ao Consulado de Espanha em Amsterdão para verificar se um barco de carga do Sahara Ocidental viola o direito europeu

Reunião do CS sobre Sahara Ocidental eliminada da Agenda

A reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre o Sahara Ocidental que estava agendada para hoje dia 27 de Abril, foi eliminada da Agenda publicada na página web das Nações Unidas.

No próximo dia 30 de Abril terminará o mandato da MINURSO (missão da ONU para o Sahara Ocidental).

O relatório que irá ser apresentado por António Guterres (SG da ONU), sobre o Sahara ao CS, recebeu duras criticas por parte do movimento solidário saharaui, e as recentes declarações do Embaixador de França, Delattre, que não acredita que a MINURSO deve ter incluído no seu mandato os direitos humanos, não auguram nada de bom.

Segundo declarações da Rússia, que vêm com preocupação o favoritismo dado a Marrocos, podemos deduzir que o CS não chegou ainda a unanimidade sobre este tema.

A Suécia declarou o seu apoio à MINURSO e à questão dos direitos humanos, mas não é membro permanente do CS.

A decisão sobre o futuro do Sahara Ocidental está mais uma vez nas mão dos 5 membros permanentes e com opção de veto no CS (França, China, Rússia, Reino Unido e EUA).

Leer más …Reunião do CS sobre Sahara Ocidental eliminada da Agenda

“Há muitas formas de fazer direitos humanos… ” – François Delattre, CS das NU

Teve lugar reunião à porta fechada do Conselho de Segurança, ontem 25 de Abril às 15h00 hora de Nova Iorque, sobre a Missão das Nações Unidas para o Sahara Ocidental (MINURSO).

François Delattre, embaixador de França junto da ONU, disse à Innercity Press que “há muitas formas de fazer direitos humanos …. os direitos humanos estão no nosso ADN” em reposta à pergunta porquê o Conselho de Segurança (CS) não incluía os direitos humanos no mandato da MINURSO.

O conselho apreciou hoje o relatório do Secretário Geral , do qual já publicamos a nossa analise no passado dia ……

A decisão sobre o futuro do mandato da MINURSO será tomada na próxima reunião do CS, quinta-feira dia 27 de Abril.

Os membros não permanentes do CS neste mandato são Bolívia, Egipto, Etiópia, Itália, Japão, Cazaquistão, Senegal. Suécia e Ucrânia, sendo os 5 membros permanentes e com direito de veto China, França, Federação Russa, Reino Unido e Estados Unidos da América.

Leer más …“Há muitas formas de fazer direitos humanos… ” – François Delattre, CS das NU

Julgamento de Estudantes saharauis adiado pela 9ª vez

O tribunal de Marraquexe que iniciou a sessão dos estudantes saharauis às 16h00 adiou o julgamento pela 9ª vez, sendo a nova data o dia 9 de Maio.

Na sala apenas foram autorizados os familiares directos com o mesmo apelido.
Os estudantes saharauis detidos de forma arbitrária há mais de um anos e quatro meses sem julgamento, continuam assim em “prisão preventiva”.

O estado de saúde dos estudantes é muito grave devido às torturas e maus tratos e às 6 greves de fome que já realizaram ao longo da sua detenção ilegal.

Os estudantes conhecidos, como grupo El Wali ,reafirmam a sua qualidade de presos políticos, detidos devido às suas actividades sindicais e politicas nas universidades de Agadir e Marraquexe, e classificam a sua detenção arbitrária como uma acção típica de regimes ditatoriais e colonialistas.

A nova data de julgamento coincide com o julgamento de Gdeim Izik.

Leer más …Julgamento de Estudantes saharauis adiado pela 9ª vez

Parlamento de Galiza: Declaração institucional sobre o cumprimento do acórdão do Tribunal de Justiça Europeu sobre o Sara Ocidental

Em 21 de dezembro de 2016, o Tribunal de Justiça Europeu proferiu o seu acórdão no sentido de que o Sahara Ocidental não faz parte do Reino de Marrocos, o que significa que qualquer acordo comercial entre a União Europeia e Marrocos se aplica no Sahara Ocidental e que não pode ser praticada qualquer actividade comercial, ou exportar os recursos naturais do Sahara Ocidental, sem o consentimento do povo saharaui.

Esta decisão é executória pelas autoridades europeias e estaduais, e é também um dever, além de respeitá-lo, torná-lo conhecido do público para a aplicação adequada. Além disso, de acordo com a resolução 2285 do Conselho de Segurança da ONU em abril de 2016, alcançar uma solução política e melhorar a cooperação entre os Estados do Norte de África contribuirá para a estabilidade e a segurança na região.

Como já foi salientado em ocasiões anteriores, em 26 de fevereiro, 1976 Espanha terminou a sua presença no território do Sahara Ocidental, deixando inacabado o processo de descolonização que já estava em curso no âmbito da ONU e afirmando que o Estado espanhol tem uma responsabilidade histórica, jurídica e moral para com o povo saharaui.

Leer más …Parlamento de Galiza: Declaração institucional sobre o cumprimento do acórdão do Tribunal de Justiça Europeu sobre o Sara Ocidental

Jornalista marroquina demitida por usar o termo “Sahara Ocidental”

Por Isabel Lourenço / Jornal Tornado

Uma jornalista da televisão marroquina foi demitida por dizer na emissão em directo “Sahara Ocidental”, explica um comunicado da cadeia Medi1TV.

Soumia Dghoughi, jornalista responsável pela produção e apresentação do programa “Africa Soir”, transmitido ao vivo na sexta-feira à noite “usou o termo Sahara Ocidental para se referir às províncias do sul do reino, em vez do termo “Sahara marroquino” explicou o comunicado, divulgado na noite de domingo pelo canal privado.

Após ter dado conta deste “erro profissional” da jornalista, a cadeia tomou medidas administrativas “rígidas” e decidiu a “sua suspensão imediata das funções, enquanto se aguarda a conclusão de todas as investigações profissionais e administrativas” que deverão “esclarecer as circunstâncias deste acto inaceitável e tomar medidas legais indicadas”, acrescenta o texto.

Leer más …Jornalista marroquina demitida por usar o termo “Sahara Ocidental”

Carta aos professores espanhois de visita a El Aaiun

Hmad Hamad escreve aos professores da época colonial espanhola:

Queridos Professores,

Escrevo esta carta porque não consigo expressar o que sinto sem que as lágrimas marejam os meus olhos.

Queria dar-vos as boas vindas de braços abertos e um sorriso no rosto, eram essas a boas vindas que merecem aqueles que nos transmitiram saber e participaram na nossa formação, não apenas académica mas como seres humanos.

Gostaria de dar-vos as boas vindas ao lado dos meus colegas e amigos e recebe-los nas nossas casas onde as nossas mães lhes poderiam agradecer todo o vosso trabalho e dedicação.

Infelizmente essas não são as boas vindas que posso dar. Não vós posso dar as boas vindas ao lado dos meus colegas e amigos porque após a vossa partida, e após o abandono de Espanha, Marrocos entrou e ocupou à força o Sahara, matou, assassinou, sequestrou e encarcerou os vossos alunos, meus amigos e colegas.

Muitos deles faleceram, desapareceram ou definharam nas masmorras marroquinas. Assim como eu fui detido e torturado quase até à morte, assim foi o destino de muitos deles.

Leer más …Carta aos professores espanhois de visita a El Aaiun

Direitos Humanos são propriedade do Estado Marroquino

Por Isabel Lourenço / Jornal Tornado

No passado dia 5 de Abril o rei de Marrocos anunciou o novo governo. Uma das novidades é a reactivação do Ministério dos Direitos Humanos que tinha sido extinto em 2002.

O circulo de controle absoluto do Rei de Marrocos fica assim concluído, uma campanha de décadas de erradicação de qualquer tipo de denúncia das gravíssimas violações de direitos humanos por parte de entidades independentes ou organismos internacionais, foi alcançado.

Na última década foram criadas uma série de entidades de direitos humanos estaduais e governamentais que incluem a Delegação Interministerial para os Direitos Humanos, o Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) e um Mediador de direitos humanos.

Marrocos criou assim um Marketing em torno de um “Reino desenvolvido e com atenção aos direitos humanos” e conseguiu financiamento de somas obscenas da União Europeia e o silêncio do ACDH (Alto Comissariado para os Direitos Humanos) da ONU.

Leer más …Direitos Humanos são propriedade do Estado Marroquino

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies