Estudantes saharauis em greve de fome totalmente incomunicáveis

Os estudantes saharauis detidos de forma arbitrária há mais de um anos e três meses sem julgamento, que iniciaram a 10 de Abril uma greve de fome de tempo indeterminado foram totalmente isolados pela administração da prisão de Oudaya.

Segundo a última informação das famílias os jovens estão sem visitas, sem poderem ir ao patio e sem contacto com outros presos. O estado de saúde dos estudantes é muito grave devido às torturas e maus tratos e às 5 greve de fome que já realizaram ao longo da sua detenção ilegal.

Esta greve dos estudantes conhecidos como grupo El Wali , é a última forma de protesto que têm disponível. Os 13 grevistas e três que devido ao estado de saúde muito debilitado não participaram greve, viram o seu julgamento novamente adiado no passado dia 28 de Março para 24 de Abril, sendo este o 8º adiamento.

Recordamos que este grupo de presos políticos saharauis já realizou 5 greves de fome exigindo um julgamento justo e o respeito pelas condições básicas e contra as torturas e maus tratos de que têm sido alvo desde a sua detenção arbitrária, tendo uma das greves ultrapassado os 45 dias. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Saharauis em protesto em frente do Município de Smara

Protesta Hamadi Naciri y Gabal JoudaHamadi Naciri e Gabal Jouda, activistas saharauis iniciaram hoje um protesto em frente ao edifico da administração de Smara contra as represálias arbitrárias que têm sofrido devido à sua condição de activistas saharauis e contra a política de apartheid promovida pelo regime de ocupação marroquino.

Segundo se pode ler num comunicado publicado na sexta-feira passada pelo activista Hamadi Naceri, da Freedom Sun e membro de várias associações nacionais e internacionais de direitos humanos, optaram por realizar uma greve de fome após as suas reivindicações terem sido continuamente rejeitadas pelas autoridades marroquinas.

Naciri, ex-preso político e destacado activista de Smara, reivindica a sua transferência de acordo com a lei marroquina, para a cidade ocupada de Smara, a sua cidade natal e onde está a sua familia que depende dele. A senhora Gabal Douda, é uma das muitas saharauis que dependem das “ajudas sociais” marroquinas para sobreviver uma vez que os saharauis são votados à segregação económica e social e esta é uma das forma das autoridades de ocupação controlarem as actividades dos saharauis, a quem atribuem e retiram a ajuda de cesta básica de acordo com o “comportamento” que lhes é exigido. Read more

Ayúdanos a difundir >>>