Movimento solidário de Moçambique lança envia de cartas a SG

O movimento solidário com o povo saharaui em Moçambique lançou uma campanha de envio de cartas ao SG da ONU, António Guterres.

A carta onde se apela para intervenção de Guterres na solução de um conflito que dura há mais de 4 décadas, termina dizendo:

Senhor Secretário-Geral, a comunidade internacional não deve continuar a “fechar os olhos” perante o Marrocos que ocupa pela força um país vizinho, oprime o seu povo, saqueia os recursos naturais, nega os seus compromissos e frustra os esforços inestimáveis de paz da comunidade internacional. Estes comportamentos inaceitáveis comprometem seriamente a harmonia, a validade e a credibilidade do sistema internacional, de que as Nações Unidas é a encarnação.

Esta carta que está traduzida a 4 idiomas (portugues, ingles, francês e espanhol) tem como objectivo ser uma carta modelo para todos os que queiram participar e enviar este apelo para o e-mail: sg@un.org

Mais uma vez o pusl apela a todos os leitores para que reenviem a carta e com este pequeno gesto ajudem a fazer a pressão necessária. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

A restauração das relações entre Marrocos e Cuba: novo testemunho do fracasso da política marroquina (Omar Mansur)

Chahid El Hafed, 2017/04/22 (SPS)

O ministro saharaui para a América Latina e o Caribe, Omar Mansur disse hoje que “a restauração das relações entre o Reino de Marrocos e Cuba é mais uma prova do fracasso da política de boicote realizada pela monarquia com todos os países que reconheceram a República Árabe Saharaui Democrática “.

Omar Mansur disse que a nova estratégia de Marrocos para conviver com a República Saharaui na União Africana, na Argélia, Etiópia, Nigéria, Quênia, África do Sul, Angola, México, Panamá e outros muitos países e agora Cuba é um sinal de força e consolidação reconhecimento Estado saharaui internacionalmente.

No mesmo contexto, Mansur salientou que “este restabelecimento de relações é uma confissão do fracasso da política de chantagem e extorsão realizada pelo país colonialista contra mais de 80 nações que reconheceram e estabeleceram relações com o nosso país.” Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Activistas Saharauis atacadas em Bojador

Várias activistas saharauis foram violentamente atacadas na sexta-feira dia 21 de Abril, em frente da casa de Sultana Khaya em Bojador, pelas forças de ocupação marroquinas.

As activistas que gritavam palavras de ordem pela autodeterminação do Sahara Ocidental e saída imediata de Marrocos do território (que ocupa ilegalmente e à força desde 1975) exibiam bandeiras da República Árabe Saharaui Democrática.

De imediato das forças marroquinas investiram contra as mulheres tendo ferido gravemente a Sra. Mina Baali no maxilar.

Este é apenas mais um exemplo da repressão diária em todas as cidades do Sahara Ocidental ocupado. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Venezuela lamenta declaração da monarquia de Marrocos contra o Estado de Direito

REPÚBLICA DA VENEZUELA
MINISTÉRIO DO PODER POPULAR PARA RELAÇÕES EXTERIORES

COMUNICADO

A República Bolivariana da Venezuela condena a declaração intervencionista da monarquia de Marrocos contra o Estado de direito na Venezuela e sua ordem constitucional, expressa em uma declaração constrangedora ontem.

É inaceitável que um reino, ocupante um território sob processo de descolonização das Nações Unidas, que exerce práticas comprovadas altamente repressivas contra os cidadãos saharauis, que sendo um estado absolutista classificada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD ) com um dos mais baixos níveis de desenvolvimento humano no mundo, tem a intenção de dar lições e interferir nos assuntos internos da Venezuela.

O progresso e desenvolvimento da Venezuela, apesar do cerco econômico-financeiro e a agressão internacional, goza de reconhecimento de várias organizações, como a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO ), a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), o PNUD, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o relatório mais recente do Conselho de Direitos Humanos da ONU. O modelo de Direitos Humanos na educação, saúde, cultura, habitação e redução da pobreza, entre outros, formam uma forte andaime de proteção e bem estar dos cidadãos na Venezuela. Read more

Ayúdanos a difundir >>>