4a Comissão da ONU chamada a visitar os territórios ocupados do Sahara Ocidental

Isabel Lourenço

Na sessão da quarta comissão para a descolonização das Nações Unidas que esta a decorrer entre 3 e 6 de Outubro, Isabel Lourenço, colaboradora do PUSL e membro da Fundación Sahara Occidental denunciou a situação vivida pelos presos politicos e chamou a atenção a responsabilidade da comunidade internacional que com o seu silêncio cúmplice e inacção é responsável pelo sofrimento do povo saharaui.

Após denunciar alguns dos crimes cometidos pelo Reino de Marrocos apelou à visita de uma missão da 4a Comissão aos territórios ocupados, como estipulado no mandato deste organismo.

Senhor Presidente, membros do 4º Comitê

Porquê é necessário que nós venhamos contar cada ano o sofrimento do povo saharaui?

Existe alguma dúvida sobre as inúmeras resoluções das Nações Unidas? A decisão do Tribunal Internacional, da União Africana e, mais recentemente, do Tribunal de Justiça Europeu?

Marrocos é um ocupante ilegal; Não há sombra de dúvida sobre esse fato. Também não há dúvidas sobre as violações graves dos direitos humanos mais básicos dos saharauis sob ocupação e do sofrimento dos refugiados nos campos há mais de quarenta e um anos. Não sabem da existência do muro de separação com 2720 km e dos milhões de minas? A pilhagem dos recursos naturais, o empobrecimento forçado dos saharauis e a mudança demográfica com a introdução de centenas de milhares de colonos?

É necessário que 7 anos consecutivos vos venhamos falar sobre o campo de Gdeim Izik, do seu desmantelamento brutal e das vítimas inocentes que agora estão a apodrecer nas prisões marroquinas, torturadas, raptadas pelo reino de Marrocos e sentenciadas ilegalmente de 20 anos a prisão perpétua ? O julgamento político que condenou os prisioneiros políticos saharauis conhecido como grupo Gdeim Izik não apresentou qualquer prova de crime cometido ou violência que não fossem documentos assinados sob tortura e testemunhas que participaram da tortura dos prisioneiros.

Um grande número dos prisioneiros políticos saharauis conhecidos como grupo Gdeim Izik estão em greve de fome, são lhes negados cuidados de saúde, medicamentos para doenças crônicas, maltratados, insultados e isolados, o grupo foi dividido em 7 prisões diferentes no reino marroquino, uma violação da 4ª Convenção de Genebra.

Precisam de ouvir a lista de técnicas de tortura aplicadas pelos marroquinos aos prisioneiros saharauis?

 

  • Avião
  • Golpes
  • Queimaduras com cigarros
  • Queimaduras químicas
  • Inalação química
  • Remoção de unhas
  • privação de luz
  • Electrocussão
  • Flagelação
  • Chicotear os pés
  • Pendurar pelos pés
  • Mutilação
  • privação de oxigênio
  • Violação / agressão sexual
  •  Frango assado
  • Sodomia com objetos afiados, como garrafas partidas, bastões de ferro, pernas de cadeiras e lâmpadas
  • Confinamento solitário
  • Privação de sono
  • Fome
  • Bebida Sueca – ingestão de urina e fezes
  • Waterboarding

“O meu crime é ter um país rico”, disse Abdallahi Abbahah, prisioneiro político do grupo Gdeim Izik durante o julgamento que o condenou a ele e a 7 dos seus companheiros à prisão perpétua. Devo acrescentar que há outro crime que os saharauis cometeram, o crime de acreditar que os documentos que assinaram para o cessar fogo em 1991 sob o auspício das Nações Unidas seriam respeitados; os saharauis respeitam o que assinaram e nunca recorram à violência, esperando pacientemente o referendo que deveria ter sido celebrado há 26 anos, mas o Reino de Marrocos não respeita a assinatura que colocou no acordo de cessar-fogo ou os numerosos convênios internacionais que ratificou. E a Comunidade Internacional e a ONU não tomam as medidas necessárias para garantir a proteção e os direitos do povo saharaui.

Os saharauis são um exemplo para o mundo de resistência pacífica, mas estão a ser punidos pela comunidade internacional com o seu silêncio  cúmplice e inatividade.

Marrocos, rapta, tortura, mata e encarcera o povo saharaui. Marrocos tenta diariamente aniquilar não só as pessoas, mas também a cultura e as tradições dos saharauis.

Marrocos força os saharauis a ter cartões de identidade marroquinos, roubando-lhes a  sua nacionalidade, que, uma vez que a descolonização não foi realizada, deveria ser espanhola até o referendo.

O papel dos Membros do 4º comitê, é ouvir, mas também agir e denunciar. Peço-lhes que visitem os territórios ocupados do Sahara Ocidental de acordo com o mandato deste comitê.

Estou aqui para pedir para o povo saharaui o seu direito à autodeterminação de acordo com as resoluções da ONU, mas também peço a  libertação imediata de todos os prisioneiros políticos saharaui.

Não permitam que o sofrimento do povo saharaui continue.

 

*Isabel Lourenço (Human Rights Activist – member of Fundación Sahara Occidental-Collaborator of porunsaharalibre.org)

 

Ayúdanos a difundir >>>