Jovens saharauis desempregados em protesto

Um grupo de uma dezena de jovens saharauis desempregados da associação Alkasam (Promessa) realizaram hoje um protesto exigindo o direito ao trabalho.

Para conseguir manifestar-se o grupo subiu ao alto de um depósito de abastecimento de água, na Av. Meka em El Aaiun. Passaram duas horas antes que as autoridades de ocupação marroquinas conseguiram retirar à força os manifestantes.

Após terem sido obrigados a descer do depósito os jovens foram mal tratados pela polícia e levados à comissária. Os jovens foram sujeitos a identificação e interrogatório prolongado.

As manifestações de jovens desempregados Saharauis têm se multiplicado no último ano com acções de protesto criativas de resistência não violenta. Nos territórios ocupados o desemprego afecta quase todos os saharauis uma vez que os colonos marroquinos têm sempre primazia no acesso ao trabalho.

Num território de extrema riqueza a população saharaui é votada a um apartheid político, social e económico e ao empobrecimento forçado. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Comunicado de presos políticos de Gdeim Izik

A 10 de novembro de 2017, a administração central da prisão de Kenitra colocou um prisioneiro marroquino que cometeu crimes violentos, numa cela da mesma ala das celas dos prisioneiros políticos saharauis, El Bashir Boutanguiza, Abdallahi Lakfawni e Houcein Zawi. A presença de um detido de delito criminal na mesma ala onde os presos políticos saharauis estão presentes constitui um perigo para as nossas vidas e uma ameaça à nossa segurança física, especialmente porque o estado marroquino, por meio de sua comunicação social , sempre lançou campanhas de incitação contra nós, o que nos torna sempre ameaçados, especialmente depois que a administração das Penitenciárias ter dispersado o nosso grupo em várias prisões. Juntar prisioneiros políticos saharauis com prisioneiros marroquinos de delito penal é uma violação flagrante da lei, cartas e acordos que prevêem a proteção de prisioneiros de consciência, ainda mais quando os prisioneiros de consciência são de um território ocupado.

Condenamos este ato hediondo e as más intenções e responsabilizamos o Estado marroquino por todos os efeitos que podem afetar a segurança de nossas vidas. As nossas vidas estão ameaçadas e pedimos a todas as associações e instituições democráticas para intervir para nos salvar.

Presos políticos saharauis do grupo Gdeim Izik
Prisão central de Kenitra

Segunda-feira, 13 de novembro de 2017 Read more

Ayúdanos a difundir >>>