Tratamento desumano de prisioneiros políticos saharauis em greve de fome

Sidi Abdallahi Abbahah, Abdallahi Lakfawni, El Bachir Boutanguiza e Mohamed Bourial, prisioneiros políticos saharauis do grupo Gdeim Izik, detidos na prisão de Kenitra, em greve de fome e isolamento desde 9 de Março, continuam os seus protestos apesar de toda a pressão.

Depois de várias queixas enviadas pela sua advogada francesa Olfa Ouled, às autoridades judiciais marroquinas, pedindo uma investigação do tratamento desumano a que os prisioneiros são submetidos devido ao isolamento, o estado de saúde dos detidos continua a ser preocupante.

A 21 de Março dois advogados da equipe de defesa visitaram os prisioneiros que estavam muito debilitados.

Deve sublinhar-se que a lei marroquina apenas autoriza o isolamento por motivos de segurança ou de precaução o que não se aplica aos prisioneiros de Gdeim Izik.

Os prisioneiros políticos estão em greve de fome desde 9 de março exigindo que as autoridades marroquinas melhorem as suas condições de detenção, transferindo-os para mais perto das suas famílias. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Saharauis atacados na cidade ocupada de Dakhla

Segundo a Network Activists News, dezenas de jovens saharauis manifestaram-se no dia 24 de Março numa das principais ruas de Dakhla, nos territórios ocupados do Sahara Ocidental.

A manifestação de massa começou às 23:50, na qual participaram dezenas de jovens saharauis. Eles gritavam slogans pedindo liberdade e independência e a libertação de todos os presos políticos saharauis nas prisões marroquinas.

A demonstração continuou por mais de meia hora. As forças marroquinas intervieram em seus uniformes civis e oficiais. Surgiram confrontos violentos entre eles e os manifestantes na rua Al-Shaheed e bairro Al-Azqa. Forças marroquinas atacaram as casas dos saharauís e destruíram os carros na vizinhança.

A cidade de Dakhla está sob uma repressão opressiva. A rede de activistas de notícias registou uma presença massiva de agentes marroquinos nos locais onde vivem a maioria dos saharauis. Read more

Ayúdanos a difundir >>>