Esposa de preso politico saharaui em greve de fome após 4a expulsão de Marrocos


Claude Mangin, esposa de Naama Asfari preso politico saharaui do grupo de Gdeim izik, condenado a 30 anos e actualmente detido em Kenitra, entrou hoje em greve de fome em exigindo o respeito pelo direito de visita ao seu marido que lhe é negado desde Outubro de 2016.

Segundo declaração Claude Mangin-Asfari o seu maior desejo é “voltar para o Marrocos para ver meu marido Naama Asfari, preso político saharaui, condenado a 30 anos de prisão depois de dois julgamentos injustos em conjunto com os seus camaradas do grupo Gdeim Izik pela sua luta pacífica pela independência do Sahara Ocidental, ocupada por Marrocos há mais de 40 anos.”

Naama recebeu o Prêmio de Direitos Humanos concedido pela Fundação ACAT para Dignidade Humana em janeiro deste ano. O Comitê contra a Tortura da ONU, em Genebra, condenou Marrocos pela tortura exercida sobre Naama Asfari, em Dezembro de 2016.

No entanto, desde outubro de 2016, que Claude Mangin não está autorizada a entrar em Marrocos. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Acordo de Pesca UE-Marrocos: Bruxelas tranquiliza os saharauis e impulsiona Rabat

Algerie Patriotique.- A Comissão Europeia respeitará, durante as negociações de um novo protocolo sobre o acordo de pesca entre a União Europeia (UE) e Marrocos, a decisão do Tribunal de Justiça Europeu (TJUE), que exclui as águas territoriais saharauis, afirmaram fontes saharauis ​​referindo-se às declarações de uma ministra espanhola.

Numa declaração emitida na segunda-feira, à chegada a Bruxelas para participar da reunião de ministros europeus da pesca, a ministra espanhola da Agricultura e Pescas, Isabel Garcia Tejerina, disse que o novo acordo de pesca UE-Marrocos “Respeitará escrupulosamente a decisão do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias (TJUE), que concluiu que o acordo em questão não se aplica às águas territoriais do Sahara Ocidental”, alegando que as negociações a lançar para este fim “não se referem sobre a prorrogação do actual acordo de pesca (que expira em 14 de julho de 2018), mas dizem respeito a um novo acordo que tenha em conta a decisão do TJUE “.

A ministra espanhola salientou que as negociações sobre um novo acordo de pesca entre a UE e Marrocos, a qual os ministros europeus da pesca deram a luz verde na segunda-feira, “respeitarão escrupulosamente” a decisão do TJUE que concluiu que o acordo “não é não se aplica ao “Sahara Ocidental e suas águas territoriais” porque é um território ocupado por Marrocos. Read more

Ayúdanos a difundir >>>