Marrocos adia julgamento de jornalista saharaui

O tribunal de primeira instância de El Aaiún adiou hoje para 14 de Maio o julgamento de Laaroussi Ndour, detido arbitrariamente no passado dia 2 de Maio.

O fotógrafo e editor do Bentilli Center, um dos vários grupos de comunicação social saharauis dos territórios ocupados, que diariamente denunciam e filmam as violações dos direitos humanos no Sahara Ocidental cometidas por Marrocos foi detido de forma violenta na Avenida Smara segundo testemunhas várias.

Esta manhã quando foi presente a tribunal não tinha o aparelho auditivo que necesita e que lhe foi retirado pelas autoridades de ocupação marroquinas.

O julgamento teve que ser adiado uma vez que Ndour estava com dificuldades de audição.

Amigos, activistas e familiares foram ao tribunal demonstrar o seu apoio ao jornalista e em protesto pela sua detenção arbitrária. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Organizações da Alemanha, Suíça e Juristas europeus escrevem a Macron em apoio a Claude Mangin

As organizações:

Freiheit für die Westsahara e.V.,

terre des hommes Alemanha,

terre des hommes Suíça,

Medico international,

Gesellschaft für bedrohte Völker

ELDH/EJDM Europäische Juristen für Demokratie und Menschenrechte

enviaram um apelo ao presidente francês, Emmanuel Macron, solicitando o seu apoio e acção junto do governo marroquino para que Claude Mangin seja autorizada a visitar o seu marido Naama Asfari, em detenção arbitrária desde 2010 em Marrocos. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Presos politicos saharauis de novo transferidos

Sidi Abdallahi Abbahah e Mohamed Bourial, presos políticos saharauis do grupo de Gdeim Izik foram transferidos esta madrugada da prisão de Kenitra para Tiflet 2.

Segundo informação da familia Abdallahi Abbahah e Mohamed Bourial foram muito mal tratados.

Mais uma vez a transferência destes presos políticos ocorre sem qualquer informação à familia ou aos advogados dos presos.

Sidi Abdallahi Abbahah, cumpre uma sentença perpetua e tem sido alvo sistemático de repressão e tortura desde a sua detenção arbitrária em 2010.

Mohamed Bourial cumpre uma sentença de 30 anos.

Ambos estiveram 33 dias em greve de fome com os seus companheiros Mohamed El Bachir Boutanguiza e Abdallahi Lakfawni este ano. Read more

Ayúdanos a difundir >>>