Comissão dos 24″ pede para acelerar o processo de descolonização do Sahara Ocidental

 

Nações Unidas (Nova York), 12 de junho de 2018 (SPS)

As delegações dos vários países presentes à sessão anual da Comissão Especial de Descolonização das Nações Unidas, conhecida como a Comissão dos 24, apelaram na segunda-feira à retomada das negociações sobre o Sahara Ocidental para acelerar a descolonização.

O representante do Equador, Diego Fernando Morejon Pazmino, que interveio na sessão sobre a questão saharaui, disse que é importante concentrar-se no relançamento das negociações entre os dois lados, considerando que trinta anos de fracasso são inaceitáveis.

Por sua parte, o representante de Timor-Leste, o Sr. Mautito, solicitou à Comissão intensificar os seus esforços para acabar com o colonialismo, lembrando que nos 17 Territórios vivem quase dois milhões de pessoas.

Mr. Mautito lembrou que a Frente Polisário é o representante legítimo do povo do Sahara Ocidental, sublinhando que o país estabeleceu relações diplomáticas com o povo saharaui e reconhece a soberania da República Árabe Saharaui Democrática que já tem sua embaixada em Dili”.

O representante da Etiópia, Biruk Mekonnen Demisse, pediu à retomada das negociações em favor de uma solução política para concretizar o direito à autodeterminação do povo do Sahara Ocidental.

Na mesma reunião, o representante da delegação venezuelana, Jorge Arturo Reyes Hernandez disse que as quatro rondas de negociações realizadas sob os auspícios do Secretário-Geral são um valioso esforço que deve ser reforçado.

“Isso deve ser acompanhado por um referendo, conforme descrito na resolução do Conselho de Segurança de 1990, acrescentou. O representante solicitou novas medidas para melhorar a situação precária da população saharaui, incluindo o reforço da cooperação internacional.

Biruk Mekonnen Demisse abordou a questão dos recursos naturais, assinalando que as atividades econômicas realizadas por Marrocos no Sahara Ocidental são contrárias aos interesses do povo e devem ser proibidas.

O representante da Nicarágua, Jaime Hermida Castillo, insistiu no respeito pelo direito internacional e expressa solidariedade com a luta do povo saharaui pela independência, enquanto exortou ambas as partes em conflito a chegar a uma solução para permitir ao povo saharaui o seu direito à autodeterminação.

Elton Khoetage Hoeseb, representante da delegação da Namíbia, disse que é “imperativo que as Nações Unidas continuam a liderar o processo de negociação apoiado pela União Africana” e insistiu que o seu país apoiou o referendo, acrescentando que a situação atual e negação do direito à autodeterminação do povo do Sahara Ocidental durou demasiado tempo.

O Sr. Hoeseb instou o Conselho de Segurança a assumir as suas responsabilidades e assegurar a implementação de todas as suas resoluções.

Recordando as inúmeras resoluções da Assembléia Geral, o Conselho de Segurança e da União Africano para os últimos 22 anos, reafirmando o direito à independência e à autodeterminação do povo saharaui, o Representante Permanente de Cuba nas Nações Unidas, Embaixador Anayansi Rodriguez Camejo, lamentou que, apesar dos esforços contínuos não se verificou praticamente nenhum progresso em encontrar uma solução eficaz para o conflito no Sahara Ocidental, que é bloqueada por mais de quatro décadas

Em seu discurso, o representante da África do Sul, Oyama Mgobozi, reafirmou a solidariedade de seu país com o povo saharaui devido à longa luta contra o apartheid e o compromisso com o direito à auto-determinação.

“O povo do Sahara Ocidental passou décadas à espera de exercer o seu direito à auto-determinação e para desfrutar de liberdade”, disse diplomata sul-Africano, perguntando “Como podemos permitir que esta situação dure há tanto tempo?”.

Por seu turno, o representante do Zimbabwe, a Sra Kumbirayi Taremba expressou apoio ao direito à autodeterminação do povo saharaui, que é “uma questão de princípio para seu país. ”

Kumbirayi Taremba pediu ao Conselho de Segurança que intensifique os esforços para alcançar uma solução política duradoura para o conflito, expressando apoio aos esforços do enviado da ONU Horst Kohler e ao enviado especial da União Africana para retomar as negociações.

O representante do Uruguai, Beatriz Nunez Rivas, por sua vez defendeu o direito do povo saharaui à autodeterminação, defendendo uma solução política que possa realizar esse direito.

Beatriz Núñez Rivas instou a União Africana a continuar a trabalhar para se aproximar das partes e que qualquer solução requer a plena implementação das resoluções do Conselho e da Assembléia da ONU.

Ayúdanos a difundir >>>