Nova queixa à ONU contra Marrocos

acatfrance.fr.- Por persistir em denunciar as violações a que estão submetidos os detidos saharauís, Naâma Asfari é constantemente alvo de represálias por parte do governo marroquino. Em resposta, a Ação dos Crentes pela Abolição da Tortura (ACAT) e o Serviço Internacional pelos Direitos Humanos (SIDH) mais uma vez exortam as Nações Unidas a apelarem a Marrocos.

Naâma Asfari, defensor dos direitos humanos saharaui, está detido desde Novembro de 2010 e foi condenado a 30 anos de prisão com base em confissões assinadas sob tortura pela sua participação no campo de protesto Gdeim Izik.

Sua esposa, Claude Mangin-Asfari, está privada de visitar seu marido. Em abril de 2018, em protesto, Claude decidiu entrar em greve de fome durante um mês. Dois meses depois, e apesar das repetidas tentativas do governo francês para conseguir que Marrocos deixasse que ela entrasse no reino de Marrocos para visitar Naâma Asfari, ainda lhe é negado o direito de visitar seu marido. Read more

Ayúdanos a difundir >>>