Mohamed Bani, preso político saharaui sem assistência médica adequada.

PUSL.- O Sr. Bani, presos politico saharaui do grupo de Gdeim Izik, que esteve em greve de fome durante 14 dias em março, a qual agravou sua saúde já precária, já que ele foi colocado em confinamento solitário como castigo, ainda não recebeu atendimento médico adequado.

A greve de fome terminou após uma reunião com o Delegado Regional da Delegação Geral de Administração das Penitenciárias e Reinserção Social, quando lhe foi prometida uma transferência para a Prisão Bouzakarn, com autorização a visitas familiares 4 dias por semana e dois telefonemas semanais.

Estas promessas não foram cumpridas e o Sr. Bani continua na mesma situação.

A Sra. Bani e seus cinco filhos viajaram para a prisão de Ait Melloul para visitá-lo.
A sua advogada francesa Maitre OULED disse-nos que tinha enviado um fax ao diretor da prisão Ait Melloul com base no artigo 75 do Dahir n ° 1-99-200 de 13 joumada I 1420 (Lei marroquina), que autoriza e regula visitas familiares. Ela solicitou que a presença dos filhos do Sr. Bani, incluindo alguns menores, fosse levada em conta.

Infelizmente, a situação da família do Sr. BANI não é única. Perante o silêncio de organismos internacionais, até mesmo europeus, a maioria dos presos politicos saharauis do Grupo de Gdeim Izik, continua sujeita a um rígido regime de isolamento. Isolados do exterior, eles quase não têm contato com o mundo desde a sentença proferida o ano passado que os condenou de 20 anos a prisão perpetua. Quando cessará o severo regime de detenção dos prisioneiros de Gdeim Izik?

Ayúdanos a difundir >>>