El Bashir Khadda, preso político saharaui do grupo de Gdeim Izik, inicia greve de fome

El Aaiun, 18 de setembro de 2018 – A família de El Bachir Khadda

Nós, família de El Bachir Khadda, preso político saharaui do grupo de Gdeim Izik, actualmente detido na prisão Tilftet2 em Marrocos, a mais de 1200 quilómetros da sua cidade natal, El Aaiun, no Sahara Ocidental, informamos que iniciou hoje, terça-feira, 18 de setembro de 2018, uma greve de fome ilimitada.

El Bachir Khadda foi preso em 2010 após o desmantelamento do campo de Gdeim Izik, e apesar da falta de provas, ele foi condenado a 20 anos de prisão pelo Tribunal de Recurso de Rabat em 2017 num processo marcado por múltiplas e graves violações do direito a um julgamento justo.

Devido às condições desumanas e degradantes de detenção que enfrenta, bem como à deterioração da sua saúde, e depois de que as muitas queixas às autoridades marroquinas e ao CNDH (Conselho Nacional de Direitos Humanos de Marrocos) por ele mesmo, sua família e sua advogada, permaneceram sem resposta El Bachir decidiu entrar em greve de fome para:

1 – Exigir acesso imediato a um médico;

2. – Exigir sua transferência para o Sahara Ocidental, a fim de se aproximar da sua família.

3. – Que o Tribunal Supremo dê a sua resposta num prazo razoável, uma vez que o grupo Gdeim Izik está preso desde 2010

El Bachir Khadda está em isolamento prolongado há mais de 10 meses e, devido a enorme distância, as visitas familiares são muito difíceis. As chamadas telefônicas são permitidas apenas uma vez por semana, 5 minutos, para toda a família. Ele é submetido a contínuos maus-tratos, ameaças e assédio pela direcção da prisão e pelos guardas.

Apelamos à comunidade internacional para que apoie El Bachir Khadda nas suas justas reivindicações.

Ayúdanos a difundir >>>