TICAD atrasa trabalhos um dia devido à pressão marroquina sobre o Japão

PUSL.- A Conferência Internacional sobre o Desenvolvimento Africano (TICAD) VII Reuniãos Ministerial, no Japão, Tóquio, que termina no domingo foi adiada um dia devido à pressão de uma enorme delegação marroquina que pretendia excluir a RASD (República Árabe Saharaui Democrática) da reunião.

Ontem (5/10) a reunião da TICAD ao nível dos altos funcionários foi cancelada. Os japoneses recusaram-se a autorizar credenciais à delegação da República Saharaui e não colocaram a sua placa com o nome do país como para os outros Estados-Membros, na sala de conferências.

O Presidente do Comité de Representantes Permanentes (COREP) recusou-se a prosseguir com a abertura da reunião que teria que preparar os documentos para a reunião ministerial prevista para hoje sem a presença e identificação da RASD.

Desde esta manhã (6/10) as negações continuaram entre a Comissão e os japoneses. A delegação marroquina chegou com um grande número de participantes liderados pelo ministro delegado para assuntos africanos.

A delegação dos representantes da RASD era clara nas exigências do Estado, a plena participação da RASD com todos os privilégios e estatuto de todos os outros Estados-Membros. Se o Japão não concordasse com este requisito, a Conferência deveria ser simplesmente cancelada ou remarcada.

A posição do Japão foi motivo de surpresa para muitas delegações que se perguntaram sobre essa posição radical e o fato de que o Japão se alinhou com a posição de um único país contra quase um continente inteiro e contra as relações com uma grande organização como a União Africana.

A única forma que a ausência da placa de identificação para a RASD seria permitida, como ficou claro durante as negociações, realizadas durante a tarde, seria a ausência de nomes dos países participantes na sala. Apenas 55 mesas para 55 delegações da União Africana.

Depois de uma intensa negociação, a delegação da RASD recebeu a placa com o seu nome e o mesmo tratamento que qualquer outra delegação, representando mais um golpe para o Reino de Marrocos e as suas manobras hostis e agressivas dentro da União Africana contra os saharauis.

Em todas as reuniões organizadas ou em que a União Africana e os seus membros participam, o Reino de Marrocos tem sido desrespeitoso, agressivo (até atacou fisicamente um embaixador da RASD) e insultoso em relação à delegação saharaui e à União Africana.

Este comportamento contínuo do Reino de Marrocos é uma violação de todas as normas diplomáticas e também um desrespeito à Carta da União Africana.

A reunião da TICAD é co-organizada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o Banco Mundial e a Comissão da União Africana e as Nações Unidas.
Ministros de 54 países africanos estão reunidos para discutir a implementação das ações da TICAD V e VI e a preparar a Cúpula da TICAD VII, a ser realizada em Yokohama, Japão, de 28 a 30 de agosto de 2019.

A TICAD é uma conferência realizada regularmente para promover o diálogo político de alto nível entre líderes africanos e parceiros de desenvolvimento. A TICAD foi inaugurada em 1993 e desde aí realizaram-se a TICAD I (1993); TICAD II (1998); TICAD III (2003); TICAD IV (2008); TICAD V (2013) e, por último, TICAD VI, pela primeira vez fora do Japão, no Quênia, em agosto de 2016.

Ayúdanos a difundir >>>