TJUE: Acordo de Aviação Civil entre a UE e Marrocos não se aplica ao Sahara Ocidental

Nova decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia: Acordo de Aviação Civil entre a UE e Marrocos não se aplica ao Sahara Ocidental

Depois da terra e do mar, o espaço aéreo: por despacho de 30 de novembro de 2018, o Tribunal da União Europeia, que havia sido interprelado pela Frente POLISARIO, considera que o acordo sobre a aviação civil estabelecido em janeiro de 2018, entre a União Europeia e Marrocos, não é aplicável ao território do Sahara Ocidental e seu espaço aéreo. Para o juiz europeu, é necessário compreender a noção do território de Marrocos como “referindo-se à área geográfica sobre a qual o Reino de Marrocos exerce toda a gama de poderes reconhecida a entidades soberanas pelo direito internacional, com exclusão de qualquer outra território como o do Sahara Ocidental “. O Tribunal acrescenta que a inclusão do território do Sahara Ocidental violaria “o princípio da autodeterminação referido no artigo 1º da Carta das Nações Unidas e o princípio do efeito relativo dos tratados”. Da mesma forma, o Tribunal salienta com grande precisão: “a União Europeia não pode validamente compartilhar uma intenção do Reino de Marrocos de incluir o território em questão na câmara de aplicação do Acordo”.

A Frente POLISARIO tem o prazer de ter iniciado este apelo que, após os acórdãos de 2016 e 2018, permite libertar por completo o “edifício” de soberania: a terra, o mar e o espaço aéreo. Enquanto o poder político europeu se esta a desviar para a burla da lei, o tribunal europeu, pela terceira vez, regula explicitamente a questão da soberania.

Esta decisão mostra o amadorismo e a falta de visão da Comissão Europeia que afirmou que com o chamado processo de extensão traria a segurança jurídica, e simplesmente esqueceu no seu raciocínio de que havia espaço aéreo saharaui! Tudo tem que ser feito de novo …

Para o Sr. Mhamed KHADAD, esta decisão judicial tem implicações práticas imediatas: “A partir desta data, companhias aéreas como a Transavia, Binter ou Royal Air Maroc já não têm qualquer apoio legal para reclamar voos regulares entre El Aaiún ou Dakhla e a União Europeia. Estas empresas, sujeitas à legislação europeia, assumem claramente a sua responsabilidade civil e penal, mas este acórdão tem um alcance muito mais vasto, na verdade diz respeito a todo o espaço aéreo: nenhum acordo internacional se aplica neste território, na ausência de autorização do representante do povo do Sahara Ocidental “.

O Sr. Mhamed KHADAD continua: “nenhum acordo internacional é aplicável ao espaço aéreo, e nenhuma autoridade pode tomar decisões para dar segurança jurídica aos aviões que desejam transitar pelo território”. Portanto, a Frente POLISARIO opõe-se ao uso do espaço aéreo do Sahara Ocidental por aviões civis e militares, com a única excepção dos aviões da MINURSO, como parte da missão de paz.

Mais do que nunca, é claro que a estabilidade e a segurança nesta parte do mundo virão através da aplicação do direito internacional, com a retirada de todas as empresas estrangeiras e a organização do referendo sobre a autodeterminação.

No inicio das conversações de Genebra, esta decisão judicial chega no momento certo para recordar a realidade da lei aplicável, isto é, o estatuto separado e distinto dos territórios terrestres, marítimos e aéreos do Sahara Ocidental e a ausência de qualquer soberania marroquina sobre este território.

« Recours en annulation – A… by on Scribd

Ayúdanos a difundir >>>