HRW alerta eurodeputados sobre acordo de pesca UE-Marrocos

hrw.org.- Eurodeputados: Procurem parecer do Tribunal Europeu sobre a compatibilidade do acordo de pesca da UE com Marrocos com o direito internacional

Caros membros do Parlamento Europeu,

A 12 de fevereiro de 2019, o Parlamento Europeu deverá votar uma resolução legislativa sobre o projeto de decisão do Conselho relativa à celebração do Acordo de Parceria no Domínio das Pescas Sustentável (APPS) entre a União Europeia e o Reino de Marrocos, o Protocolo de Aplicação e  troca de cartas que acompanham o Acordo.

Em 16 de janeiro, o Parlamento aprovou a legislação relativa ao comércio de produtos agrícolas, o Acordo UE-Marrocos sobre a alteração dos Protocolos 1 e 4 do Acordo Euro-Mediterrânico.

A Human Rights Watch está preocupada com o facto de o APPS não cumprir os requisitos do direito internacional e, em particular, do Direito Internacional Humanitário (DIH), e por isso pede-lhe que peça um parecer do Tribunal de Justiça Europeu (TJE) sobre a compatibilidade com Tratados europeus e, especificamente, com o direito humanitário internacional que rege os territórios ocupados, do APPS proposto e do Acordo UE-Marrocos sobre a alteração dos Protocolos 1 e 4, em conformidade com o artigo 218.11 do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia.

Estamos particularmente preocupados com o facto dos acordos comerciais da UE com Marrocos poderem violar o direito internacional humanitário (DIH) da forma como se relacionam com o Sahara Ocidental, contrariando assim o artigo 21.º, n.º 1, do Tratado da União Europeia, que afirma: A acção da União na cena internacional deve ser guiada por … respeito pelos princípios da Carta das Nações Unidas e do direito internacional. “

Como sabem, o TJE considerou que os acordos comerciais entre a UE e Marrocos não têm base legal para incluir o Sahara Ocidental, um Território Não Autônomo sobre o qual Marrocos não tem soberania reconhecida; sustentou ainda que os acordos comerciais com Marrocos, se forem aplicáveis ao Sahara Ocidental, exigem a obtenção do consentimento do seu povo. O tribunal enfatizou que este requisito se aplica “sem que seja necessário determinar se tal implementação é susceptível de prejudicar [o terceiro] ou, ao contrário, beneficiá-lo.” (Parágrafo 106)

Especificamente, no seu acórdão (processo C-104/16 P) de 21 de dezembro de 2016, o tribunal determinou que o “Acordo entre a UE e Marrocos relativo às medidas de liberalização recíproca de produtos agrícolas e produtos da pesca” de 2012 não oferecia nenhuma base legal para incluir o Sahara Ocidental no seu âmbito territorial.

Tendo em vista o cumprimento da decisão do tribunal, o Serviço Europeu para a Ação Externa (SEAE) e a Comissão Europeia conduziram um processo de consulta em Rabat e Bruxelas com elementos da população do Sahara Ocidental e com outras partes interessadas [1].O Parlamento Europeu realizou sua própria visita de investigação ao território em 3 e 4 de setembro de 2018.[2]

A resolução do Parlamento Europeu, adotada em janeiro de 2019 sobre o Acordo UE-Marrocos, afirma que, durante essa consulta, “o apoio majoritário foi expresso pelas partes participantes para os benefícios socioeconômicos que as preferências tarifárias propostas trariam” (Parágrafo 11). Afirma: “Foram tomadas medidas razoáveis e factíveis para inquirir sobre o consentimento da população em questão, através destas consultas inclusivas” (Parágrafo 8), embora também afirmando que “porque o [TJE] não especificou no seu acórdão de como o consentimento do povo deve ser expresso … permanece alguma incerteza em relação a esse critério ”(Parágrafo 12). A resolução, no entanto, afirma, ao insistir na adoção, “que este acordo não implica qualquer forma de reconhecimento da soberania de Marrocos sobre o Sahara Ocidental” (Parágrafo 5).

A Human Rights Watch não está em condições de determinar se o processo consultivo conduzido pelas instituições da UE está em conformidade com o requisito do TJE de obter “consentimento” e se as partes consultadas pelas instituições da UE cumprem a definição do tribunal de “povo do Sahara Ocidental. No entanto, estamos preocupados que o acordo fique aquém das obrigações de Marrocos em relação aos territórios ocupados sob o direito internacional humanitário.

A decisão do TJE, que rejeita a aplicabilidade dos acordos UE-Marrocos ao Sahara Ocidental, baseia-se na visão do Sahara Ocidental como um Território Não-Autônomo, cujo povo tem o direito à autodeterminação. No entanto, a relação entre o Marrocos e o Sahara Ocidental é também de ocupação e, como tal, os tratados que afetam o território devem obedecer também ao DIH. [3]

As duas estruturas legais compartilham princípios fundamentais ao ressaltar que os recursos do território em questão pertencem às pessoas desse território e que os padrões rigorosos se aplicam à disposição de terceiros desses recursos. Na estrutura de autodeterminação do TJE, o povo do Sahara Ocidental deve dar seu consentimento antes que a UE possa assinar acordos com Marrocos sobre a utilização desses recursos. No âmbito do DIH, a exploração do território ocupado pode ser realizada apenas em benefício da população ocupada (artigo 55 do Regulamento de Hague de 1907).[4]

Na prática, para queMarrocos, como potência de ocupação, explorasse legalmente os recursos do Sahara Ocidental, teria de criar um fundo com uma contabilidade transparente que mostrasse os recursos utilizados ou exportados, as receitas obtidas e a canalização dessas receitas para o país para benefício exclusivo do povo do Sahara Ocidental.

O Fundo de Desenvolvimento do Iraque, estabelecido pela resolução 1483 do Conselho de Segurança das Nações Unidas logo após as forças de coalição lideradas pelos Estados Unidos ocuparem o Iraque em abril de 2003, é um exemplo desse mecanismo estruturado para cumprir o DIH, apesar das deficiências na sua implementação. O Fundo era mantido pelo Banco Central do Iraque e auditado de maneira independente por fiscais aprovados pelo Conselho Internacional de Assessoria e Monitoramento. Mais significativamente, a receita arrecadada poderia ser usada apenas para beneficiar o povo do Iraque. Nenhum mecanismo comparável existe em relação aos recursos do Sahara Ocidental e o acordo proposto não prevê a criação de um mecanismo.

Em termos materiais, as implicações para o Sahara Ocidental do acordo de pesca proposto com Marrocos são significativas. A Comissão das Pescas do Parlamento Europeu reconheceu que “mais de 90% das capturas da frota da UE são capturadas nas águas adjacentes ao Sahara Ocidental.”

O TJE, no processo C-266/16 de 27 de fevereiro de 2018, levantou uma questão mais básica: se a recusa de Marrocos em se considerar uma potência ocupante (ou, aliás, um “poder administrativo de fato”) no Sahara Ocidental significa que a UE não poderia sequer considerar estes quadros como base para assinar acordos com Marrocos sobre o comércio de produtos originários desse território:

No que diz respeito à expressão «águas sob a jurisdição do Reino de Marrocos», nesta disposição, o Conselho e a Comissão consideraram, entre várias possibilidades, que o Reino de Marrocos podia ser considerado «poder administrativo de facto». ou como potência de ocupação do território do Sahara Ocidental e que tal descrição poderia ser relevante para determinar o âmbito do Acordo de Parceria no Domínio da Pesca [de 22 de maio de 2006].

O Tribunal considerou que não havia razão para considerar se qualquer destes dois enquadramentos, como expressão da “intenção conjunta das partes” do Acordo de Parceria no domínio da pesca… “teria sido compatível com as regras do direito internacional que são vinculativas para o União Européia ”, já que “o Reino de Marrocos negou categoricamente que seja uma potência ocupante ou um poder administrativo em relação ao território do Sahara Ocidental … De tudo o que precede, as águas adjacentes ao território do Sahara Ocidental são não abrangidos pela expressão “águas sob a soberania ou jurisdição do Reino de Marrocos”, na alínea a) do artigo 2.º do Acordo de Parceria no sector da pesca “(pontos 72 e 73).

No entanto, continua sendo verdade que Marrocos está a ocupar o território e, portanto, o direito internacional humanitário pertinente aplica-se.

Na sua resolução que aprova o acordo UE-Marrocos sobre a alteração dos Protocolos 1 e 4, o Parlamento Europeu afirmou que “é essencial garantir que o Acordo cumpre o acórdão do [TJCE] de 21 de dezembro de 2016 no processo C-104 / 16P.”

À luz desta afirmação e das preocupações delineadas nesta carta, a Human Rights Watch convida-o a garantir que qualquer acordo da UE com Marrocos respeite os direitos do povo do Sahara Ocidental e não contribua para violações do direito internacional humanitário e dos direitos humanos.

Apelamos a que adopte uma resolução solicitando um parecer do Tribunal de Justiça sobre a compatibilidade do APPS e o acordo sobre a alteração dos Protocolos 1 e 4 com os Tratados da UE e, especificamente, com o direito humanitário internacional.

Agradeço sua atenção e consideração a este assunto urgente.

Atenciosamente,

 

Lotte Leicht

Diretor de Advocacia da União Europeia

Human Rights Watch

____________________

[1] Report on benefits for the people of Western Sahara and public consultation on extending tariff preferences to products from Western Sahara, European Commission, June 15, 2018. https://eur-lex.europa.eu/legal-content/EN/TXT/?uri=CELEX%3A52018SC0346R%2801%29

[2] Mission report following the visit to Western Sahara on 3 and 4 September 2018, Committee on International Trade. http://www.europarl.europa.eu/meetdocs/2014_2019/plmrep/COMMITTEES/INTA/CR/2018/10-10/1163925EN.pdf

[3] These two legal frameworks are not mutually exclusive. As Melchior Wathelet, Advocate General at the European Court of Justice, observed in his 2018 opinion on the fisheries agreements with Morocco, “certain situations may come exclusively within international humanitarian law; or exclusively within the law applicable to the exploitation of the natural resources of non-self-governing territories; while other situations may come at the same time within both of those branches of international law.” – Paragraph 267, Opinion of the Advocate General on Case C‑266/16, January 10, 2018. http://curia.europa.eu/juris/document/document.jsf?text=&docid=198362&pageIndex=0&doclang=en&mode=req&dir=&occ=first&part=1

[4] This view is corroborated by Paragraph 268 of the Advocate General’s opinion referred to in the previous note: “the principle of permanent sovereignty over natural resources and Article 55 of the 1907 Hague Regulations converge on one point, namely that the exploitation of the natural resources of Western Sahara (as a non-self-governing territory and an occupied territory) cannot be carried out for the economic benefit of the Kingdom of Morocco (other than the costs of occupation in so far as Western Sahara may reasonably provide for them) but must be carried out for the benefit of the people of Western Sahara.”

 

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies