A UE deve reconhecer a luta legítima do povo saharauí pela liberdade e pelos seus direitos

GUE/NGL – 25/02/2019 .- Gabi Zimmer (DIE LINKE, Alemanha), Paloma López (Izquierda Unida, Espanha) e Ángela Vallina (Izquierda Unida, Espanha) visitarão os campos de refugiados de Tindouf na Argélia, participarão no Congresso da União Nacional das Mulheres Saharauis e nas Comemorações do Dia Nacional Saharaui, na quarta-feira.

A visita ocorre num momento particularmente delicado, depois de o Parlamento Europeu ter votado a extensão do Acordo de Associação UE-Marrocos e de uma Parceria no domínio da pesca que inclui o Sahara Ocidental, sem o consentimento do povo saharaui e em violação do acórdão do TJUE.

Ao mesmo tempo, a delegação do Parlamento Europeu para as relações com os países do Magrebe (DMAG) estará em Marrocos e na Argélia com um programa que ignora a existência do povo saharaui e a sua situação.

Como mensagem de reconhecimento dos órgãos nacionais do Sahara Ocidental e do direito à autodeterminação do povo saharaui, as eurodeputadas do GUE / NGL reunir-se-ão com os seus homólogos no Conselho Nacional saharaui, o parlamento eleito do povo saharaui. Visitarão a Zona Livre, as áreas liberadas sob a administração da Frente Polisario e as áreas próximas ao muro construído por Marrocos que divide o território.

A Presidente do GUE / NGL, Gabi Zimmer, criticou a posição da UE face ao povo saharaui e aos seus órgãos representativos nacionais:

“A UE continua a ignorar a existência do povo saharaui, assinando acordos comerciais com Marrocos, a potência de ocupação, em violação do direito soberano do povo saharaui de decidir sobre o seu futuro. O GUE / NGL está firmemente em oposição a qualquer acordo UE-Marrocos que seja ilegalmente alargado ao Sahara Ocidental. ”

“Durante todo o tempo, uma delegação oficial do Parlamento Europeu está em visita a Marrocos dias depois de vergonhosamente ter consentido um acordo de pesca que saqueia os recursos naturais do povo saharauí, em violação da Carta das Nações Unidas.”

“Neste contexto desolador, estamos orgulhosas de nos reunirmos com representantes eleitos do povo saharaui, visitando os seus acampamentos de refugiados e ouvindo as vozes dos 170.000 saharauis que vivem no exílio e dependem da ajuda há mais de 40 anos”.

“Embora ignorados pela Comissão Europeia, reiteramos a nossa profunda solidariedade para com o povo saharaui e o seu direito à autodeterminação”, concluiu Zimmer.

Ayúdanos a difundir >>>