Relatório dos EUA sobre o Sahara Ocidental confirma CRIME DE GUERRA

PUSL.- No recém-publicado Relatório Nacional de Práticas de Direitos Humanos para 2018 – Sahara Ocidental[1], o Bureau de Democracia, Direitos Humanos e Trabalho do Departamento de Estado dos EUA confirma que Marrocos continua a cometer a Prática Relacionada com o Artigo 130 do Direito Internacional Humanitário: Transferência de População Civil Própria para o Território Ocupado, que constitui um Crime de Guerra.

O relatório afirma:

“Como um incentivo para se mudarem para o território, os trabalhadores do setor formal ganharam até 85 por cento mais do que no Marrocos reconhecido internacionalmente. O governo também forneceu subsídios ao combustível e isentou os trabalhadores da renda e dos impostos sobre valor agregado”.

A transferência da população marroquina para o Sahara Ocidental, o território que ocupa, é proibida pelo direito internacional humanitário. A transferência da população de uma potência ocupante para um território que ocupa equivale a um crime de guerra que pode envolver a responsabilidade criminal individual dos responsáveis.[2]

O número de colonos marroquinos deverá aumentar ainda mais, devido ao avanço das novas construções no território, mas também devido aos incentivos econômicos oferecidos pelo governo marroquino, como confirmado no relatório do Departamento de Estado dos EUA.

Uma característica central da política marroquina no Sahara Ocidental ocupado tem sido a aquisição gradual e a distribuição de terras através de várias medidas, incluindo a declaração de “terras do Estado”, a impunidade de ocupação de habitações e terras saharauis pelos colonos e o encorajamento de atividades económicas nos territórios ocupados. Segundo o relatório: “Houve relatos de que os Saharauis enfrentaram discriminação na contratação e promoção”. O apartheid social, económico e político sofrido pela população saharaui foi amplamente documentado pelo PUSL ao longo dos anos, bem como os contínuos protestos dos jovens saharauis que exigem emprego.

Lei internacional:

Prática Relacionada com o Artigo 130. Transferência da População Civil Própria para o Território Ocupado

Regra Relacionada

I. Tratados

Convenção de Genebra IV

O artigo 49, sexto parágrafo da Convenção de Genebra de 1949 prevê: “A Potência ocupante não deve deportar ou transferir partes de sua própria população civil para o território que ocupa.”

Protocolo Adicional I

O Artigo 85 (4) (a) do Protocolo Adicional de 1977 I estabelece que “a transferência pela Poder de Ocupação de partes de sua própria população civil para o território que ocupa” é uma violação grave do Protocolo.

Estatuto do ICC

Nos termos do artigo 8.º, n.º 2, alínea b), viii, dos estatutos do TPI de 1998, «a transferência, direta ou indireta, pela potência ocupante de partes da sua população civil para o território que ocupa» constitui um crime de guerra. em conflitos armados internacionais.

II. Outros instrumentos

ILC Projecto de Código de Crimes contra a Paz e a Segurança da Humanidade (1991)

O Artigo 22 (2) (b) do Draft Code of Crimes contra a Paz e a Segurança da Humanidade de 1991 considera “o estabelecimento de colonos em um território ocupado e mudanças na composição demográfica de um território ocupado” como um ” crime de guerra excepcionalmente grave.”

ILC Projecto de Código de Crimes contra a Paz e a Segurança da Humanidade (1996)

Nos termos do Artigo 20 (c) (i) do Código de Crimes contra a Paz e a Segurança da Humanidade da ILC de 1996, “a transferência pela Força de Ocupação de partes de sua própria população civil para o território que ocupa” é uma Crime de guerra.

Regulamento No. 2000/15 da UNTAET 

O Regulamento No. 2000/15 da UNTAET estabelece painéis com jurisdição exclusiva sobre crimes graves, incluindo crimes de guerra. De acordo com a Seção 6 (1) (b) (viii), “a transferência, direta ou indiretamente, pelo Poder de Ocupação de partes de sua própria população civil para o território que ocupa” constitui um crime de guerra em conflitos armados internacionais.

[1] https://www.state.gov/j/drl/rls/hrrpt/humanrightsreport/index.htm?year=2018&dlid=289236#wrapper

[2] Rome Statute of the International Criminal Court, Art. 8(2)(b)(viii).

 

Ayúdanos a difundir >>>