Comunicado da família do Sr. BOURIAL, prisioneiro do grupo conhecido como GDEIM IZIK

PUSL.-O Sr. Mohamed Bourial está preso em Marrocos desde 2010, após o desmantelamento do chamado acampamento Gdeim Izik. Foi condenado a 30 anos na ausência de qualquer outra prova além das confissões extraídas sob tortura.

Apesar dos seus pedidos para investigar a tortura que sofreu, o Reino do Marrocos nunca realizou uma investigação imparcial, nem interrompeu o tratamento cruel e desumano contra ele. Esses maus tratos continuaram depois a sua transferência para a prisão de Tiflet2 – em março de 2018 -, na qual ele se encontra agoraem isolamento, privado de visita, em estado precário de saúde e sem nenhum tipo de atenção médica. É neste contexto que ele mandatou através da sua família a sua advogada a apresentar uma comunicação ao Comitê contra a Tortura da ONU em novembro de 2018.

Para que a situação evolua, Mohamed decidiu iniciar uma greve de fome com a principal exigência de proteção das mais altas autoridades internacionais contra qualquer forma de tortura ou tratamento desumano. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Autonomia não é opção: diz Ministro Sul Africano na Conferência de solidariedade da SADC

PUSL.- O vice-ministro das Relações Internacionais e Cooperação, Luwellyn Landers, diz que a cimeira da SADC está a ser realizada para demonstrar solidariedade com o povo do Sahara Ocidental. Numa entrevista esta manhã Landers reafirma que a única solução para o conflito e a autodeterminação do povo saharaui. O plano de autonomia que Marrocos exige não é uma opção, afirma o Ministro.

Landers diz que a intenção da conferência de solidariedade é apoiar o povo do Sahara Ocidental a alcançar um estado soberano e independente. Sobre as negociações em curso promovidas por Horst Koehler enviado pessoal do SG das ONU o representante sul africano disse que as opiniões de Koehler têm que ser valoradas mas que há outras opiniões que se têm que ter em conta.

Sobre a adesão de Marrocos à UA, Landers diz que a questão colonial em África é clara no acto constituitivo e que o conflito do Sahara Ocidental tem que ser resolvido com as Nações Unidas e a União Africana. As Nações Unidas têm falhado não só o povo saharaui, como o do Iemen, da Siria e muito outros : “talvez seja tempo que as Nações Unidas façam um balanço” diz o ministro. Read more

Ayúdanos a difundir >>>