SADC – África não estará verdadeiramente livre até que a última colónia, o Sahara Ocidental, seja descolonizada

Lindiwe Sisulu, Ministra das Relações Internacionais e Cooperação de África do Sul

PUSL.- A Conferência de Solidariedade dos Ministros da SADC com o Sahara Ocidental servirá para lembrar à região que a África não estará verdadeiramente livre até que a última colónia, a República Árabe Saharaui Democrática, seja descolonizada, disse a Ministra das Relações Internacionais e Cooperação de África do Sul, Lindiwe Sisulu.

Sisulu fez estas declarações ao receber os convidados no primeiro dia da conferência de dois dias em Pretória, na segunda-feira.

A reunião preparatória dos Ministros da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) e dos Ministros participantes de outras regiões teve lugar antes da Conferência de Solidariedade da SADC com o Sahara Ocidental pelos Chefes de Estado e de Governo agendada para hoje.

Falando na abertura da Conferência Sisulu disse: “Esta conferência é a realização de uma resolução formalmente adoptada pelo Conselho de Ministros da SADC em Julho de 2017 na Tanzânia, e vinculativa para todos nós. A SADC espera avançar com passos concretos em que podemos reforçar e apoiar o direito do povo saharaui à autodeterminação. É este tipo de solidariedade e apoio ao povo do Sahara Ocidental que deve dar coragem e impulso à sua luta pela autodeterminação “.

É incorreto repetir referências regulares ao nosso continente como ‘pós-coloniais’, quando as pessoas do Sahara Ocidental não são livres.

Esta conferência é uma demonstração clara da nossa solidariedade internacional com o povo saharaui na sua busca da autodeterminação.

“A maioria de nós aqui alcançou a nossa liberdade, fortalecida e auxiliada pela solidariedade das pessoas que se importavam com a situação. Sabíamos que todo país tem um direito inalienável à independência e à autodeterminação”, disse Sisulu.

Mais de 20 países estão representados na Conferência de Solidariedade da SADC com o Sahara Ocidental. Os países incluem Angola, Zimbábue, Namíbia, Lesoto, Argélia, Uganda, Botsuana, Nigéria, Reino Unido, Cuba, Moçambique, República Democrática do Congo, Zâmbia, Malawi, Eswatini, Maurício, Tanzânia, Seychelles, Quênia, Venezuela, São Tomé e Príncipe. Principe, Timor-Leste, bem como o Sahara Ocidental.

Representantes de muitos dos movimentos de libertação da região também estavam presentes, incluindo Swapo, Zanu-PF, Frelimo, MPLA, ANC e SACP.

“Nós, como sul-africanos, estamos honrados em sediar esta conferência, pois a própria África do Sul é um produto de solidariedade internacional. Deixemos o povo do Sahara Ocidental sair desta conferência sabendo que os apoiamos totalmente “, disse ela.

A Namíbia foi o co-anfitrião da conferência de solidariedade, e o vice-primeiro-ministro da Namíbia, Netumbo Nandi-Ndaitwah, disse participantes: “É importante que nós hospedemos esta conferência na terra de Nelson Mandela.

“Tal solidariedade nos sustentou na nossa luta de libertação e precisamos consolidar a paz no continente africano.”

Ayúdanos a difundir >>>