Preso politico Saharaui Lahoucine Amaadour em greve de fome

PUSL.- O preso político saharaui Lahoucine Amaadour (nome saharaui Husein Bachir Brahim) entrou em greve da fome a 9 de Abril contra os graves maus tratos e a negação arbitrária das visitas de familiares.

O líder estudantil foi entregue às autoridades marroquinas em Nadour, Marrocos, em 17 de janeiro pelas autoridades espanholas que expulsaram Amaadour após a sua chegada às ilhas Canárias sem ter sido respeitado o processo legal após o seu pedido de asilo político.

À chegada a Nadour, o jovem foi submetido a um primeiro interrogatório pelas autoridades marroquinas, com base num mandado de busca e apreensão.

Segundo as informações da família, Amaadour recusou-se a assinar os documentos que lhe foram apresentados, pois o conteúdo não corresponde às suas declarações.

As questões centraram-se na sua actividade política e estudantil e na sua opinião sobre o conflito no Sahara Ocidental e sobre os activistas saharauis que conhece.

O mesmo tipo de interrogatório foi repetido em Casablanca, onde, segundo a família, Amaadour denunciou ter sido espancado. Mais uma vez ele se recusou a assinar qualquer documento.

Em 21 de janeiro, Amaadour foi apresentado à Procuradoria do Rei em Marrakesh e enviado para a prisão de Oudaya, em Marrakesh.

Em 29 de janeiro de 2019, ele foi apresentado ao Juiz de Instrução para o interrogatório detalhado.

Em 11 de fevereiro de 2019, Mohammed Rgueibi, Hamza Rami, Ibrahim Almasih e Ahmed Abba Ali, 4 estudantes do Grupo El Uali, condenados a 3 anos em 2016 e libertados em janeiro de 2019, foram apresentados ao juiz de instrução para fazer novas declarações sobre Amaadour

Eles assinaram a declaração, mas não receberam uma cópia. Segundo o juiz de instrução, devido à confidencialidade do processo, eles não poderiam ter uma cópia.

O Sr. Amaadour está atualmente numa cela superlotada com 21 presos que já foram condenados. Alguns dos prisioneiros têm doenças contagiosas.

Após 87 dias de detenção arbitrária, ele ainda aguarda julgamento.

Ayúdanos a difundir >>>