Desobediência civil saharaui contraocupação marroquina. Quebra com o CC marroquino

Jornal Realidade Saharaui / DLRS. Bahia Mahmud Awah 08/11/2019

Opinião

Desobediência civil saharaui anti ocupação marroquina. Quebre com o CC marroquino

“Marrocos ocupou a nossa terra e assassinou o nosso povo em nome da religião. Como poderíamos compartilhar com ele um feriado religioso?”, Hmad Uld Ali Uld Bachir, também conhecido como Hmad Hammad.

Explorando esta nova questão da desobediência civil saharaui sob as leis do regime de ocupação marroquina, poderíamos lembrar Nelson Mandela e o seu livro “O longo caminho para a liberdade, um trabalho autobiográfico no qual Madiba retrata detalhes da sua luta pacífica contra o domínio do apartheid Como os militantes do ANC diversificaram os seus métodos de combate ao regime racista da África do Sul do apartheid. Um desses métodos era o que Mandela chamava de “DESOBEDIÊNCIA CIVIL”. Diversificação da luta que consistia em desafiar as leis civis do Apartheid, apoiada pela Igreja Anglicana que simpatizava com o regime contra os negros, uma aposta que Nelson Mandela descreveu no seu confronto com o apartheid: “A Igreja aprovou esta política e contribuiu com a base religiosa do apartheid, sugerindo que os africânderes eram o povo escolhido de Deus, enquanto os negros eram uma espécie subordinada a eles. Na visão do mundo que defendia o Afrikaner, o apartheid e a religião marcharam lado a lado. ” No mesmo sentido, essa expressão do militante saharaui Hmad Uld Hammad:”Marrocos ocupou nossa terra, sequestrou, assassinou e enterrou os nossos parentes e compatriotas vivos. Em nome da religião. Como vamos compartilhar com ele uma data religiosa de concordância que ele usa contra nós?

Hoje esta filosofia de militância da ruptura reacionária e religiosa contra o regime entrou em conflito com o ativismo de luta pacífica praticado pelos saharauis que vivem sob ocupação militar marroquina. Uma experiência com a qual os sul-africanos do ANC foram capazes de avançar no seu longo processo de libertação contra o domínio do apartheid e da igreja anglicana. Os saharauis pela sua natureza são receptivos às boas experiências, como previsto pelo provérbio, “Dá-me o teu coração (os saharauis chamam isso à consciência) para pensar.” Finalmente, os saharauis conscientes de diversificar os seus métodos de luta, surgiram com a chave da desobediência civil contra a política da administração com a qual o Marrocos gere os assuntos dos territórios que ocupa no Sahara Ocidental.

Contra essa política de anexação militar embrulhada desde a sua criação pelo uso da religião, os saharauis capturaram o perigo da sua mensagem e declararam uma ruptura com ela. Em 2010, um grupo de estudantes universitários saharauis proclamava-se “رافدين الجنسية المغربية” (saharauis que rejeitam a documentação marroquina), condição que a administração marroquina de 1976 impôs à população para efeitos da sua marroquinização. O caso eloquente do activista saharaui Aminetu Haidar em 2009 é outro exemplo ao recusar ser colocado no seu cartão de embarque a nacionalidade marroquina. A activista saharaui protagonizou uma épica de greve de fome de 32 dias no aeroporto de Lanzarote, um caso que recebeu o apoio de milhares de pessoas em todo o mundo, personificadas, entre outras, pelo vencedor do prémio Nobel José Saramago, o Robert Kennedy Center pela Justiça e Paz e cantores, atores e intelectuais que endossaram a causa de Aminetu.

Para o povo, nada é impossível nos métodos de lutar contra qualquer poder, seja qual for sua natureza. E os exemplos são muitos, desde os movimentos negros de direitos civis nos Estados Unidos, ao movimento antiglobalização, o início das primveras árabes, a oposição civil a guerras como a do Vietnam ou o Iraque (não ao movimento de guerra na Espanha), Espanhol 15M, maio 68 Francês. Os cidadãos declaram a desobediência contra sistemas injustos. Possivelmente muitos anónimos saharauis, defensores dos direitos humanos e activistas políticos contra o regime marroquino irão também entrar para a história por declarar esta desobediência e romper com as leis políticas e religiosas que Marrocos impôs às suas aspirações, diferentes e contrárias aos marroquinos.

Como é que este colapso começou e como está sendo alimentado no Sahara Ocidental? Essa é a pergunta a que eu respondo a seguir de acordo com as realidades reunidas no terreno. Desde o início da anexação militar ao território em 1976 e quando ninguém se atreveu a se opor à ocupação, a rebelião nasceu num jovem daquela geração que testemunhou os últimos anos do período colonial espanhol. Seu nome era Hmad Hammad e ele ainda vive na “grande prisão”, como ele chama a cidade de El Aaiun. Disse-me que desde o princípio a invasão marroquina foi muito clara era necessário desobedecê-la e romper com a sua imposição cultural, alheia e estranha à cultura e à identidade saharauis.

Hmad não se enquadra nessa estratégia macabra como muitos outros que, por necessidade de estudos, foram deportados para o interior marroquino e acabaram por falar ou introduzir na sua personalidade marroquina saharaui o idioma marroquino dariya e a língua francesa. Em várias ocasiões, ele me disse que foi repreendido pelo governo por se dirigir aos oficiais marroquinos da administração da ocupação de terras em Hasania (idioma Saharaui) ou em espanhol. E que em muitos julgamentos nos tribunais da ocupação ele pediu para ter interprete da sua língua Hasania ou espanhol. Método de resistência que custou prisão, agressão e perseguição. Confrontado com os saques e a destruição do património cultural material saharaui, tanto dos recursos arqueológicos como dos recursos naturais, Hmad postulou um desafio ao regime para denunciar este ultraje, através de vídeos e testemunhos expostos em muitas conferências e reuniões com os media.

Recentemente, quando a população saharaui nos territórios ocupados se prepara para celebrar a data religiosa da Páscoa do Sacrifício, Id El Adha, que para a administração da ocupação marroquina é segunda-feira, 12 de agosto, um interessante debate surgiu em torno desta data. Entre a população do Sahara Ocidental, dividida por um muro militar, surgiram novas e fortes vozes contra a data estipulada pelo ocupante para a celebração do feriado religioso. E diante do debate de que se os saharauis da parte ocupada devem aderir às indicações da administração marroquina, se declararam em oposição e decidiram celebrá-lo hoje, domingo, 11 de agosto, com seus compatriotas nos territórios libertados e nos campos de refugiados. na Argélia.

Na sexta-feira, 9 de agosto, o ativista saharaui Hmad Hammad enviou-me um áudio em que um fórum saharaui dirigiu a população um apelo à desobediência religiosa em Marrocos e ao rompimento à data estipulada, mas também havia opiniões dissidentes a respeito, alegando outras razões. de interpretações religiosas. Hmad Hammad dirigiu-se aos saharauis que tinham dúvidas: “Se vão celebrar na segunda-feira 12, devemos celebrá-lo no domingo para não coincidir com eles e juntar a data de celebração da nossa República, que através dos seus sábios e ulemas nos guiam para essa data e não de acordo com a agenda do ocupante “. Hmad tem as suas ideias muito claras e perante os seus correligionários explicou por que os saharauis devem desobedecer às práticas religiosas da administração marroquina que controla esta parte da população e do território saharaui com as seguintes razões: “Ouvi o vosso debate sobre a data da celebração, e vejo que o seu lado religioso está sendo tratado. Mas quero esclarecer uma coisa: Marrocos invadiu o nosso território em nome da religião, matou o nosso povo em nome da religião, envenenou os nossos poços em nome da religião, sequestrou os nossos filhos em nome da religião, assassinou as nossas mães, as nossas irmãs, os nossos companheiros, e enterrou-os vivos e também os atirou vivos dos seus helicópteros, em nome da religião “.

Quando revisamos a história da ocupação do território que Marrocos e a imprensa espanhola chamam de “Marcha Verde”, temos uma imagem de hordas de cidadãos marroquinos espancados, cegamente exaltados pelo apelo do seu rei Hasan II para recuperar o Sahara aos espanhóis. Milhares de pessoas caminharam pelo deserto até o Sahara Ocidental, carregando nas suas mãos o livro do Alcorão, as suas mortalhas e a bandeira marroquina ao lado do americano Henry Kissinger.

Riszard Capuscinski recordou como os ideólogos do apartheid eram justificados: “somos a favor de que o mundo inteiro viva cada vez melhor e seja capaz de se desenvolver”. O rei Marrocos, Hasan II, afirmou em sua defesa da ocupação do Sahara Ocidental que o fez para libertar os saharauis e os unir ao que ele alegava que sempre fora a sua terra natal, Marrocos. Mas os líderes saharauis tinham a sua própria resposta, como os desaparecidos Mahfud Ali Beiba e Bukhari Ahmed. Mahfu Uld Ali Beiba disse que “se algum dia os saharauis quiserem ser” outros “, não serei esse” outro “”. E Bukhari Uld Ahmed Uld Barikala disse que “A situação internacional é como o que Bismarck disse, o manto de Deus passa uma vez em frente à sua porta a cada mil anos. E nós, os saharauis, estaremos preparados para a passagem do manto de Deus “. Ou seja, a ocasião desse tipo de luta já é servida para não perdê-la. E os saharauis não devem esperar mais e redobrar a desobediência às leis religiosas e administrativas do ocupante marroquino.

O falecido poeta Beibuh Uld El Hach convocou com esses versos clarividentes para cerrar fileiras e lutar juntos e com todos os meios.

“Unidos, vos chamo, venham, / homens valentes e corajosos, / não aceitam ajoelhar-se, / é necessário que se rebelem.”

Ayúdanos a difundir >>>