General

ESPANHA ATRIBUI CONDECORAÇÃO A TORTURADOR MARROQUINO

– Abdellatif Hammouchi foi denunciado na França por tortura do prisioneiro político saharaui Naama Asfari, condenado a 30 anos de prisão.

– O Comitê das Nações Unidas contra a Tortura estabeleceu que Marrocos torturou Naama Asfari.

Hammouchi também é acusado de torturar vários outros presos políticos do grupo Gdeim Izik.

– O governo espanhol do Partido Popular já havia concedido a Hammouchi a Cruz de Mérito Policial com um distintivo vermelho, a maior distinção entre os membros das Forças de Segurança do Estado.

– Agora, o ministro do Interior espanhol também homenageia o chefe da Gendarmaria Real de Marrocos.

Alfonso Lafarga.- Contramutis .- O ministro do Interior espanhol, Fernando Grande-Marlaska concedeu a Grã-Cruz da Ordem do Mérito da Guarda Civil ao mais alto chefe antiterrorista do Marrocos, Abdellatif Hammouchi, denunciado em França por tortura do prisioneiro político saharaui Naama Asfari.

O mesmo prémio concedido a Hammouchi, Diretor Geral de Segurança do Território (DGST), responsável pela luta contra o terrorismo, e Diretor Geral de Segurança Nacional (DGSN), também foi concedido ao General do Corpo de Exército, Comandante Chefe da Gendarmaria Real do Marrocos, Mohammed Haramou. Ambas as decorações foram acordadas no Conselho de Ministros em 20 de setembro de 2019 e publicadas no Diário Oficial do Estado no dia 23.

É a segunda vez que Abdellatif Hammouchi é condecorado em Espanha: o anterior Ministro do Interior do governo do Partido Popular, Jorge Fernández Díaz atribui-lhe em outubro de 2014, a Cruz de Mérito Policial em Madrid com um distintivo vermelho, a mais alta decoração do Estado espanhol para os agentes das Forças e Corpos de Segurança do Estado, em reconhecimento à colaboração da polícia marroquina com a Polícia Nacional do Corpo em a luta contra o terrorismo jihadista.

hammouchi1Este segundo prémio foi concedido ao chefe dos serviços policiais marroquinos, enquanto na França foi seguido um procedimento contra ele por acusações de tortura do prisioneiro político saharaui Naama Asfari (casado com a cidadã francesa Claude Mangin) e o cidadão franco-marroquino Adil Lamtalsi , que vive em França.

Em 20 de fevereiro de 2014, Hammouchi estava em Paris quando agentes da polícia judiciária francesa, enviados por um juiz, apareceram na residência do embaixador marroquino para levá-lo a testemunhar sobre as alegações de tortura de Naama Asfari e Adil Lamtalsi, apresentadas pela a Associação de Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT) da França.

Hammouchi recusou-se a ir e afirmou que estava numa residência diplomática, um edifício com extraterritorialidade. Como resultado, a colaboração judicial entre Rabat e Paris ficou paralisada por um ano, mas no final “a França acabou sem dúvida por desistir: em junho de 2015, a Assembleia Nacional aprovou um acordo de cooperação judicial pelo qual as queixas apresentadas em França contra Cidadãos marroquinos acusados ​​de cometer crimes em Marrocos serão enviados com prioridade para Marrocos, mesmo que as vítimas sejam francesas “, segundo o correspondente do El País em Rabat.

Ele acrescentou ainda que “vários advogados franceses indicaram que isso significava torcer o braço da justiça francesa. A Amnistia Internacional e a Human Rights Watch denunciaram que o acordo favorecia a impunidade das autoridades marroquinas acusadas de graves violações dos direitos humanos. Mas o contrário pela França não foi o caso. Em fevereiro de 2015, França anunciou que decorava Hammouchi com a ordem de Oficial da Legião de Honra, um passo superior à ordem do Cavaleiro, que já lhe tinha sido concedida em 2011 “.

O preso político saharaui Naama Asfari foi preso em novembro de 2010 e condenado a 30 anos de prisão por confissões assinadas sob tortura pela sua participação no campo de protesto de Gdeim Izik, segundo a queixa feita na época. Ele sofreu assédio, tortura e períodos de isolamento, a ponto de, em dezembro de 2016, o Comité das Nações Unidas contra a Tortura estabelecer que Marrocos havia torturado Naama e solicitar expressamente que não houvesse represálias contra ele ou a sua família.

No entanto, a pressão continuou contra ele e a sua família e Claude Mangin foi impedida de entrar em Marrocos quando ela pretendia visitar o marido na prisão de Kenitra, a 1200 quilômetros de El Aaiún, em abril de 2018. Mangin esteve um mês em greve de fome na Câmara Municipal de IIvry-sur-Seine, onde ela mora, perto de Paris.

O primeiro prémio na Espanha ao diretor de segurança marroquino provocou duras críticas e perguntas parlamentares ao ministro Jorge Fernández Díaz por vários deputados. Gaspar Llamazares, da IU, lamentou que, enquanto a França perseguia Hammouchi por tortura, o governo espanhol o condecorou.

Ayúdanos a difundir >>>

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies