Comunidade e associações saharauis em França e Bélgica enviam carta a Morgherini sobre a detenção arbitrária da activista saharaui Mahfouda Lefkir

À Sra. Federica Mogherini
Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança

Nós, o coletivo de associações saharauis em França e na Bélgica, tomamos conhecimento que a ativista Mahfouda Lefkir foi presa na sexta-feira, 15 de novembro de 2019 pelas autoridades de ocupação marroquinas , enquanto assistia ao julgamento do seu primo Mansour Othman, de 15 anos. condenado a 1 mês de prisão. Mansour foi preso no dia 28 de outubro e acusado de ter participado das comemorações da vitória da equipe argelina na Copa da África.

A jovem mãe, membro da associação “Coordenação de Gdeim Izik” e da Associação Marroquina de Direitos Humanos, foi presa na sala do tribunal de El Aaiún sob o pretexto de “agredir um funcionário” quando indagou sobre o caso do seu primo.

Recusando-se a subir em numa carrinha de transporte para a prisão com apenas presos de delito comum masculinos, ela foi brutalmente espancada em frente a todos no julgamento.

Mahfouda foi apresentada no sábado, 16 de novembro, perante o advogado do rei. Na ausência de seu advogado, o promotor a enviou-a para a prisão negra de El Aaiun. A família não foi autorizada a lhe dar os medicamentos que tomava diariamente, sabendo que Mahfouda tem um quisto na cabeça e aguarda a cirurgia há vários meses.

Após sua prisão, o estado de saúde de Mahfouda piorou e o responsável da penitenciária teve que chamar uma ambulância e foi-lhe dada uma injeção para acalmá-la, sem terem averiguado as suas condições de saúde anteriores.

Mahfouda é um ativista conhecido e há muito tempo é alvo da polícia marroquina. A ativista saharaui foi vítima de vários ataques das autoridades marroquinas durante manifestações pacíficas nas quais participa regularmente para exigir a libertação de presos políticos e a independência do Sahara Ocidental.

É por isso que nos dirigimos a V.Exa. com urgência, porque estamos muito preocupados com o estado de saúde dela após um ataque violento, injeção sem cuidados e de forma negligente. Especialmente durante o seu julgamento de hoje, onde o promotor do rei se recusou a libertá-la temporariamente por causa da sua condição e ordenou que o seu julgamento fosse adiado para 27 de novembro de 2019.

O coletivo de associações das comunidades saharauis em França e na Bélgica está preocupado com as contínuas violações dos direitos humanos no Sahara Ocidental ocupado e insta a União Europeia a demonstrar a prioridade que atribui à proteção e promoção dos direitos humanos em todas as regiões do mundo, incluindo o Sahara Ocidental e exigir que Marrocos cumpra o direito internacional e respeite os seus compromissos nessa área.

Aceite a expressão da nossa mais alta consideração.
Paris, 19 de novembro de 2019

Coletivo das associações saharauis em França e na Bélgica: shdiasporafr@gmail.com

Assinado pelas ONGs da comunidade saharaui em França e da Bélgica:

1- Associação da Comunidade saharaui em França
2- Associação de Mulheres Saharauis em França
3- Associação dos saharauis em França
5-Sahara Culture Association – Centro da França
6- Liga de Jovens e Estudantes Saharauis em França
7- Associação Cultural Franco-Saharaui
8- Associação saharaui de Bordéus
9- Associação de Amizade com o Sahara Ocidental em Midi-Pyrenees (Toulouse)
10- Associação saharaui de Périgueux
11- Associação Saharaui para a Conservação dos Recursos do Sahara Ocidental (ASESO)
12- Associação desportiva Saharaui em França
13- Vereniging van de Saharawigemeenschap na Bélgica – Bélgica
14- O Sahara não está à venda – Associação Saharaui em Bruxelas
15- CARASO

Ayúdanos a difundir >>>