Activista saharaui Mahfouda Lefkir condenada a seis meses de prisão

PUSL.- Segundo informação do Sr. Bomba pai de Mahfouda Lefkir a activista foi condenada a 6 meses de prisão.

A sentença é baseada no facto Mahfouda ter interpelado o juiz no passado dia 15 de Novembro no final do julgamento do seu primo Mansour Elmoussaoui de 15 anos.

Hoje no final do seu julgamento Mahfouda declarou ao juiz que a sua condenação nada tem a ver com a acusação. É uma condenação pelo meu activismo, pelo meu trabalho, pelo facto de ser saharaui e defender e ansiar a nossa independência, disse a jovem mãe.

O tribunal de El Aaiun esteve sob cerco policial e não houve observadores internacionais presentes. No julgamento estavam o pai e irmãos de Mahfouda e alguns amigos da família.
O advogado de Mahfouda vai apresentar recurso no prazo autorizado por lei.
A sentença excede em 4 meses as penas máximas usualmente atribuídas em Marrocos por desrespeito ao tribunal.

A casa da família de Mahfouda está sob cerco policial e ninguém é autorizado a sair ou entrar na casa.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Consórcio italiano e Siemens violam lei internacional apoiam ocupação marroquina

PUSL.- Marrocos assinou acordo de energia eólica entre o Escritório Nacional de eletricidade e água potável (ONEE) do reino marroquino e a Agência Marroquina de Energia Sustentável (MASEN marroquina Nareva Holding e o consórcio italiano Enel Green Power em Rabat na semana passada no valor de 377 milhões.

O consórcio “Nareva Holding – Enel Green Power”, associado ao “Siemens Gamesa Renewables”, venceu o concurso internacional em 2016 para o desenvolvimento, design, financiamento, construção, operação e manutenção do Projeto Integrado de Energia Eólica de 850 MW.

O novo parque eólico de Boujdour está localizado a cerca de 7 km a nordeste da cidade de Boujdour (Sahara Ocidental ocupado) e as obras estão previstas iniciar em 2021

Outro projeto marroquino de lavagem verde que desrespeita o direito internacional e não traz benefícios para a população saharaui que vive nos territórios ocupados.

Cada novo “acordo” abre oportunidades para mais colonos marroquinos chegarem aos territórios ocupados. As autoridades marroquinas negam emprego à população saharaui, mas oferecem empregos mais bem pagos aos colonos marroquinos e também nenhum pagamento de impostos, além de outros benefícios para povoar os territórios ocupados.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Espanha exporta embarcações militares para Marrocos alegando serem navios civis

  • A companhia de navegação Rodman vende navios militares a Rabat sem classificá-los como material de defesa, embora possam carregar armas pesadas
  • O exército marroquino usa esses navios e veículos blindados espanhóis para perpetuar a sua ocupação no Sahara Ocidental
  • Espanha continuou a transferir armas para o exército marroquino depois da entrada em vigor da legislação europeia de exportação que proíbe essas vendas

eldiario.es.- A companhia de navegação espanhola Rodman vende navios militares há anos, fazendo-os passar como navios civis e, assim, evitando o controle de exportação de armas. Muitos desses navios foram enviados para a marinha marroquina entre 2007 e 2010 e são usados para ocupar as áreas de pesca do Sahara Ocidental. Este jornal também localizou na mesma área veículos blindados espanhóis usados para evitar protestos do povo saharaui.

As embarcações, do modelo Rodman 101, foram presumivelmente exportadas como “navios de navegação marítima” ou “salva-vidas”, apesar de terem uma metralhadora de 12,7 mm ou mais. De acordo com a legislação espanhola e europeia, a existência desse suporte inclui esses navios na lista de equipamentos militares e o sujeita ao controle adequado das exportações. Rodman, o fabricante desses navios, não respondeu às perguntas deste jornal.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>