General

Josie Butler: “Faremos tudo ao nosso alcance para impedir a Nova Zelândia de financiar crimes de guerra”

PUSL.- Josie Butler, do “Sahara Ocidental Solidariedade Aoteroa (Nova Zelândia)”, foi uma das organizadoras dos recentes protestos contra a importação de fosfatos de sangue na Nova Zelândia. Em entrevista ao PUSL, a senhora Butler explicou como os ativistas da Nova Zelândia agem em solidariedade com o Povo saharaui.

Josie Butler, activista indígena da justiça social da Nova Zelândia. Ganhou notoriedade depois de atirar um vibrador a um político para protestar contra o Acordo de Parceria Trans Pacific. Atualmente é organizadora do grupo “Solidariedade do Sahara Ocidental Aoteroa” (Nova Zelândia) e tem fortes laços com vários outros grupos ativistas na Nova Zelândia e no exterior.

– Como se envolveu na questão do Sahara Ocidental?

Um amigo contou-me sobre o problema a meados de 2019 e perguntou se eu poderia ajudar com algumas campanhas locais. Eu nunca tinha ouvido falar do Sahara Ocidental antes, então comecei a ler. Quando descobri o que estava a aconter, fiquei horrorizada. Fiquei ainda mais horrorizada ao descobrir que uma empresa da Nova Zelândia estava a financiar esta atrocidade. Deparei-me com a imagem de um cartaz que os ativistas saharauis haviam feito, que dizia: ‘Nova Zelândia – ajuda nos a impedir a pilhagem “. Decidi fazer tudo o que podia para ajudar.

– A questão do Sahara Ocidental é conhecida na Nova Zelândia?

A maioria das pessoas na Nova Zelândia não tem conhecimento deste problema; portanto, um dos principais objetivos de nossa campanha atualmente é consciencializar.

– Qual é a posição oficial do governo da Nova Zelândia?

O governo da Nova Zelândia instou as duas empresas envolvidas a encontrar fontes alternativas de fosfato. A nossa primeira-ministra Jacinda Ardern também visitou os campos de refugiados em 2008 e manifestou o seu apoio ao povo saharaui. O político da coligação Golriz Gharaman disse que “é mais que tempo que examinemos as implicações humanas e ambientais da compra deste produto. O governo poderia proibir o comércio na região, mas provavelmente causaria um impasse diplomático com Marrocos, que defende vigorosamente a ocupação” .

– Que tipo de ação os ativistas da Nova Zelândia fazem em relação ao Sahara Ocidental?

Em dezembro de 2019, organizamos uma flotilha de paz para receber o navio Federal Crimson, que transportava milhares de toneladas de “fosfato de sangue” roubado do território ocupado do Sahara Ocidental. Tínhamos aproximadamente 30 pessoas na água, em caiaques, barcos a pedal, botes infláveis e até um iate. Mantivemos uma presença pacífica ao lado do navio, protestando contra a carga do navio. Os ativistas colocaram uma bandeira saharaui no navio, mostrando simbolicamente que a carga pertence ao povo saharaui.

A União Ferroviária e Marítima também embarcou no navio em todos os portos de chegada da Nova Zelândia, entregando uma carta de protesto ao capitão do navio condenando a importação do fosfato, reconhecendo a soberania do povo saharaui, reconhecendo as violações dos direitos humanos e apelando ao fim de todas as importações.

Os ativistas do sul do país também se colocaram fisicamente em risco colocando-se em frente de caminhões que transportavam o fosfato do navio para a fábrica – interrompendo a linha de transporte.

O governo da Nova Zelândia estabeleceu um plano internacional de direitos humanos 2019-2023, onde podemos ler:
“As prioridades internacionais de defesa dos direitos humanos da Nova Zelândia foram determinadas levando em consideração o papel e o perfil existentes da Nova Zelândia no sistema multilateral, questões de importância para os neozelandeses, questões significativas de direitos humanos na região do Pacífico e do Sudeste Asiático, nosso trabalho consular, e alinhamento com nossos interesses mais amplos de política externa, comércio e desenvolvimento “.
Como encaixa à importação de fosfatos sanguíneos nesta declaração e como abordará a organização esse problema com o governo da Nova Zelândia?

Temos esperança de usar todos os ângulos possíveis para obter justiça para o povo saharaui e ter um bom relacionamento de trabalho com o governo da Nova Zelândia. Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para impedir a Nova Zelândia de financiar crimes de guerra.

Ayúdanos a difundir >>>

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies